10 Fatos Surpreendentes Sobre a Rejeição

rejeição rejeição - 4 - 10 Fatos Surpreendentes Sobre a Rejeição

Sabemos que a rejeição machuca muito, mas ela também pode causar danos ao nosso bem-estar psicológico que vão muito além da mera dor emocional. Aqui estão 10 fatos pouco conhecidos que descrevem os efeitos nocivos da rejeição em nossas emoções, pensamentos e comportamentos. Vamos começar por analisar por que a rejeição dói tanto:



1. A rejeição pega carona nas mesmas vias das dores física no cérebro. Estudos de FMRI demonstraram que quando experimentamos a rejeição, são ativadas as mesmas áreas do cérebro de quando sentimos dor física. É por isso que a rejeição dói muito (neurologicamente falando). Na verdade, os nossos cérebros respondem à rejeição de modo tão semelhante à dor física que …
2. Tylenol reduz a dor emocional provocada pela rejeição. Em um estudo feito para testar a hipótese de que a rejeição imita a dor física, os pesquisadores deram paracetamol (tylenol) para alguns participantes antes de lhes pedirem para recordar de uma experiência de rejeição dolorosa. As pessoas que receberam Tylenol relataram significativamente menos dor emocional do que os indivíduos que tomaram uma pílula de açúcar. Psicólogos concluíram que a razão para a forte ligação entre a rejeição e a dor física é que …





3. A rejeição tinha uma função vital em nosso passado evolutivo. No nosso passado de caçadores / coletores, ser condenado ao ostracismo de nossas tribos era semelhante a uma sentença de morte, uma vez que não éramos capazes de sobreviver por muito tempo sozinhos. Psicólogos evolucionistas concluíram que o cérebro desenvolveu um sistema de alerta precoce para nos avisar quando corríamos risco de ostracismo. Pelo fato disto ser tão importante para chamar a nossa atenção, aqueles que experimentaram a rejeição como dor, ganharam uma vantagem evolutiva. Eles eram mais propensos a corrigir o seu comportamento e, consequentemente, mais propensos a permanecer na tribo. O que provavelmente também explica por que …
4. Podemos reviver a dor social mais vividamente do que a dor física. Tente recordar uma experiência em que você sentiu uma importante dor física e as vias cerebrais irão responder “Bléh”. Em outras palavras, a memória por si só não pode provocar uma dor física. Mas ao tentar reviver uma rejeição dolorosa, você logo é inundado com o mesmo sentimento que você teve na época (seu cérebro vai responder da mesma forma que fez naquele momento). Nosso cérebro prioriza as experiências de rejeição, porque somos animais sociais que vivem em “tribos”. Isto nos leva a um aspecto sobre a rejeição que muitas vezes é ignorada …
5. A rejeição desestabiliza nossa “necessidade de pertencer”. Todos nós temos uma necessidade fundamental de pertencer a um grupo. Quando somos rejeitados, essa necessidade torna-se desestabilizada e a desconexão que sentimos aumenta a nossa dor emocional. Se reconectando com aqueles que nos amam, ou ser aceito como membro de outro grupo pelo qual sentimos afinidade, alivia a dor emocional que sentimos depois de uma rejeição. Sentir-se sozinho e desconectado após uma rejeição, no entanto, tem um impacto muitas vezes esquecido no nosso comportamento …
6. A rejeição cria surtos de raiva e agressividade. Em 2001, o Surgeon General, dos EUA, emitiu um relatório afirmando que a rejeição representava um risco de violência na adolescência maior do que as drogas, a pobreza ou a participação em gangues. Inúmeros estudos têm demonstrado que mesmo rejeições leves tornam as pessoas mais agressivas. Os tiroteios em escolas e a violência contra as mulheres são outros exemplos da forte ligação entre rejeição e agressão. No entanto, grande parte da agressão provocada pela rejeição é voltada para dentro …
7. A rejeição nos envia à uma missão de procurar e destruir a nossa auto-estima. Muitas vezes respondemos às rejeições românticas procurando falhas em nós mesmos, lamentando por todas as nossas insuficiências, maltratando a nós mesmos quando já estamos para baixo. A maioria das rejeições românticas acontece por uma questão de desajuste e falta de química, estilos de vida incompatíveis, desejo por coisas diferentes em momentos diferentes ou outras questões como a dinâmica mútua. Culpar a nós mesmos e atacar a nossa auto-estima só aprofunda a dor emocional que estamos sentimos e torna mais difícil a recuperação emocional. Mas antes de correr para se culpar por … culpar a si mesmo, tenha em mente o fato de que …
8. A rejeição reduz temporariamente o nosso QI. Apenas o convite para recordar uma experiência recente de rejeição e reviver a experiência foi o suficiente para levar as pessoas a uma pontuação significativamente mais baixa em testes subsequentes de QI, de memória de curto prazo e de tomada de decisão. Na verdade, quando estamos sofrendo de uma rejeição dolorosa, pensar claramente não é tão fácil. Isso explica por que …


9. A rejeição não responde à razão. Os participantes foram submetidos a um experimento em que foram rejeitados por estranhos. No experimento, os “estranhos” eram cúmplices dos pesquisadores. Surpreendentemente, porém, mesmo depois de serem informados que os “estranhos” pelos quais haviam sido “rejeitados”, na verdade, foram instruídos para fazerem isso, pouco efeito teve no alívio da dor emocional que os participantes sentiram. Mesmo sendo informados de que os estranhos pertenciam a um grupo que desprezavam, como a KKK, surtiu pouco no alívio do sentimento de mágoa das pessoas. Ainda assim, a notícia não é de todo ruim, pois …
10. Existem maneiras de tratar as feridas psicológicas que a rejeição inflige. É possível tratar a dor emocional que a rejeição provoca e evitar as consequências psicológicas, emocionais e cognitivas que ela provoca. Para fazer isso de forma eficaz, devemos cuidar de cada uma de nossas feridas psicológicas (ou seja, aliviar a nossa dor emocional, reduzir a nossa raiva e agressividade, proteger a nossa auto-estima e estabilizar a nossa necessidade de pertencimento).Fonte: PsychologyToday traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment:

2 comments
Add Your Reply