Psiconlinews
Shares

Abuso Sexual Infantil: Como identificar e agir

Shares
65
Muita coisa se fala sobre o abuso sexual infantil, sobre os pedófilos e seus perfis psicológicos, mas sinceramente não consigo ver outro ponto principal senão A CRIANÇA.
Vemos que há falta de informação, talvez até mesmo falta de interesse. Afinal é muito doloroso para os pais conceberem a ideia de que o filho foi abusado sem se sentirem culpados.





O abuso sexual é qualquer ato que exponha a criança. Não precisa necessariamente ser uma relação sexual completa. O próprio nome diz ABUSO. Forçar ou encorajar a criança a ver filmes impróprios, usar sua imagem em conteúdos sexuais, a “simples” tentativa de fazer com que a criança participe de atos sexuais, o toque em partes do seu corpo com o objetivo de obter prazer, ou fazer com que a criança o toque.
Hoje, com fácil e rápido acesso à internet, as crianças acabam passando por experiências muitas vezes impróprias para sua idade, e os pais precisam estar atentos para o que os filhos fazem diante da tela (seja do computador ou do celular). É preciso ter um diálogo aberto, de fácil compreensão, para que a criança/adolescente não se sinta vigiado ou invadido em sua privacidade. Orientá-los e mantê-los por perto é sempre a melhor solução.





Mas por que é tão difícil contar? Simples. Quando criança estamos em formação, não entendemos muitas coisas que nos acontecem. Várias características pioram a situação: a criança pode se sentir culpada, o agressor pode manipular e ameaçar a ela e a família, o agressor pode ser ALGUÉM PRÓXIMO e de “confiança”. A criança acaba demonstrando através de inúmeros sintomas que algo de errado e/ou incomum está ocorrendo com ela: mudança de comportamento em casa/na escola; distanciamento ou medo de algum parente ou amigo da família sem motivos concretos; rendimento na escola caindo; perda de apetite; pesadelos; até mesmo regredir e voltar a chupar dedo e/ou fazer xixi na cama… Cabe aos pais estarem atentos aos sintomas e procurarem ajuda. Caso a criança conte, os pais devem ouvir atentamente, pois dificilmente uma criança mentiria sobre um assunto tão sério. Os pais precisam acolhê-la, confortá-la e demonstrar todo seu carinho e amor neste momento, dizendo que a culpa NÃO é da criança. O próximo passo é investigar melhor o caso e denunciar, pois isso é crime! A denúncia deve ser feita ao DISQUE 100, que é uma ligação gratuita e pode ser feita de qualquer telefone. E, claro, procurar terapia para ambos, pois os pais também podem ter traumas provocados pela culpa… O atendimento psicológico é extremamente importante para a superação desse trauma.





Infelizmente o número de casos é enorme, mas por medo de retaliação, vergonha (sim, muitos sentem vergonha), trauma psicológico, a grande maioria não denuncia e vive com este sofrimento para sempre dentro de si mesmos. Os traumas podem gerar infinitas consequências: desde a sexualidade exacerbada até mesmo à dificuldade de confiar nos adultos e se relacionar com eles. Muitos que sofreram este tipo de abuso nunca contaram para ninguém, nunca desabafaram, acreditam que não têm traumas, e não sabem que o trauma gerado causou em si danos que interferem em sua vida atualmente e vão interferir para sempre se não procurarem ajuda.
Por isso, não guarde para si uma dor tão difícil de carregar. Procure ajuda. Procure um Psicólogo!

About the Author Samira Oliveira

Meu nome é Samira Oliveira. Sou Pedagoga e Psicóloga. Possuo experiência em diferentes segmentos como: Educação, Recursos Humanos e Psicoterapia Clínica. O objetivo dos meus textos é trazer informação aos leitores, com uma linguagem de fácil compreensão sobre os principais temas dessas duas profissões tão importantes e infelizmente pouco valorizadas em muitas instâncias.

follow me on: