Psiconlinews
Shares

Redes Sociais em excesso e seus prejuízos

Shares

Estamos em uma época em que as redes sociais estão sendo cada vez mais utilizadas por crianças, adolescentes, adultos e terceira idade.
As pessoas de todas as idades vivem a maior parte do tempo conectadas, acordando e dormindo acessando a internet pelos seus celulares.





Vivemos um momento de excesso de informações, estímulos, grande imediatismo e dificuldade com frustrações.
Logicamente que tudo isso gera um impacto grande em nossas vidas. Ficamos com nossa atenção bastante prejudicada, apresentamos grande aumento de ansiedade, ficamos mais isolados, nosso rendimento escolar, profissional e relações interpessoais são nitidamente afetadas. Prejuízos grandes são percebidos na nossa capacidade de leitura, aprendizagem e execução de tarefas.
Estudos mostram que nossa capacidade de concentração está cada vez menor. Hoje nossa concentração média é de 3 a 5 minutos. E é sabido que quanto mais conseguimos nos concentrar, maior é o nosso desempenho. Conclusão: Estamos tendo nosso desempenho de fato bastante afetado em várias áreas de nossas vidas.
Os brasileiros são campeões mundiais em tempo gasto nas redes sociais. Ficamos em média 650 horas mensais conectados, sendo que o mês que tem 30 dias tem 720 horas.
Estamos apresentando uma necessidade constante de conexão, o que sem dúvida aumenta nossa ansiedade.





O uso abusivo de mídias sociais como facebook, whatsapp, instagram, Snapchat, twitter, dentre outros, faz com que a gente receba um excesso de estimulação e informação, o que gera ansiedade, agitação, impaciência, irritabilidade, alterações no sono, memória, esgotamento, dificuldade para relaxar e se desligar.
Nossa mente nunca foi tão agitada. A modernidade alterou o ritmo de construção dos nossos pensamentos.
Muitas vezes já acordamos cansados e com dificuldade de acalmar nossos pensamentos. Devemos tentar ficar mais no presente. Atualmente ficamos demais no futuro. Consultórios de psicologia e psiquiatria nunca foram tão procurados. As pessoas estão adoecendo em massa, precisando de ajuda e cada vez mais carentes de afeto e atenção.
Precisamos urgentemente ter momentos para desacelerar.
Estudos apontam para a necessidade de aprender a gerenciar nossos pensamentos, importância de fazer exercícios de respiração, exercícios físicos, meditação, ouvir músicas relaxantes, maior número de horas de sono, prática de atividades lentas e lúdicas, mudança de foco, atividades como pintura, desenho, coisas manuais, leitura sem pressa de livros, tocar instrumentos, contemplação e contato com a natureza, estipulação de horários para uso de redes sociais, celular e videogame e busca por atividades calmas antes de dormir.





Na hora do estudo, o celular e todos aparelhos eletrônicos devem ficar desligados ou no silencioso, com a tela para baixo e de preferência em outro cômodo. Não se deve parar para olhar nada nem rapidinho.
Outra coisa que ajuda bastante na concentração é fazer anotações no momento da leitura da matéria. Deve-se escrever à mão ao invés de digitar, estudar em lugar tranquilo e organizado, usando marca texto. Tente afastar todos os pensamentos ansiosos. Se necessário pare cinco minutinhos, feche os olhos e respire lentamente em 3 tempos e solte o ar devagar pela boca em 6 tempos. Faça isso concentrando se na sua respiração e no momento presente. Fique no aqui e agora e passados os cinco minutinhos concentre-se apenas em seus estudos com todas as mídias digitais desligadas ou silenciadas.
Se achar que precisa de ajuda, se isto estiver sendo motivo de sofrimento e grandes prejuízos não deixe de procurar um psicólogo.

About the Author Aline Cataldi

Psicóloga Clínica e Escolar (PUC/RJ) – CRP: 05/29285 –
Mestre em Saúde Mental (UFRJ)-
Formação em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)-
Formação em Entrevista Motivacional-
Conselheira em Dependência Química-
www.alinecataldi.com.br

follow me on: