Psiconlinews
Shares

4 transtornos que parecem depressão, mas não são

Shares

depressão

Como dizia Mark Twain: “O que o deixa em apuros não é aquilo que você não sabe, mas aquilo que você tem certeza de que é verdade”. Essa citação é bem famosa e descreve os perigos de se acreditar em algo falso. Em vez de se concentrar no tratamento do problema real, você acaba colocando todos os seus esforços em cima de algo que sequer é verdadeiro.





É difícil ignorar a sabedoria que há por trás dessa frase. Quando você crê em algo que é falso, pode acabar obtendo efeitos adversos. O problema se torna ainda mais sério quando se trata da sua saúde, tanto física quanto mental.

Depressão: um diagnóstico comum

Psicopatologias geralmente são difíceis de diagnosticar, principalmente porque não existem testes fisiológicos para ajudar a obter um resultado mais preciso. Várias doenças são diagnosticadas com exames fisiológicos, como o diabetes, que é diagnosticado através de um exame de sangue, ou o cancro, que é diagnosticado através de uma biópsia. Os problemas mentais são diagnosticados clinicamente, através da observação dos sintomas.





Por esta razão, muitas vezes os problemas mentais, incluindo a depressão, são diagnosticados erroneamente. De acordo com um artigo de 2012 na Current Psychiatry, cerca de 26 a 45 por cento dos  pacientes diagnosticados com depressão não cumprem com os critérios necessários para o diagnóstico do problema. Uma análise feita em 2009 descobriu que os médicos só conseguem diagnosticar com precisão apenas 47% dos casos de depressão, muitas pessoas acabam recebendo o diagnóstico errado e tratando uma doença que sequer existe.

Aqui estão as quatro condições que são comumente confundidas com a depressão, tanto por médicos quanto pelo público em geral:

1. O transtorno bipolar:

O transtorno bipolar, assim como a depressão, envolve períodos de tristeza intensos. Durante esses períodos, as pessoas com transtorno bipolar experimentam os mesmos sintomas encontrados na depressão. Elas podem se sentir desesperançosas, inúteis e até mesmo tentar o suicídio. Mas ao contrário da depressão, as pessoas que têm transtorno bipolar também experimentam períodos de extrema euforia: sentem-se confiantes, positivas, como se estivessem no topo do mundo. Às vezes esses períodos de euforia são tão agradáveis que as pessoas são incapazes de reconhecê-los como parte do transtorno. Por isso, na maioria dos casos, elas só procuram ajuda nos períodos de extrema tristeza, e acabam recebendo, erroneamente, um diagnóstico de depressão.

De acordo com um estudo publicado no Jornal de Psiquiatria Britânico,  até 22 por cento das pessoas com transtorno bipolar são erroneamente diagnosticadas com depressão. Outro estudo revelou que as pessoas com transtorno bipolar demoram em média 10 anos até receberem o diagnóstico adequado.

Reconhecer as diferenças entre o transtorno bipolar e a depressão é vital, uma vez que o tratamento medicamentoso para a depressão pode agravar os sintomas do transtorno bipolar.

2. O hipotiroidismo





O hipotireoidismo é uma condição na qual a glândula tireoide não libera a quantidade necessária de hormônios. Os hormônios que essa glândula produz são necessários para o funcionamento correto do organismo, e as pessoas com essa doença geralmente experimentam fadiga, falta de concentração e uma baixa no humor (características da depressão).

Os pesquisadores afirmam que cerca de 20 milhões de americanos têm essa doença e que até 60% dessas pessoas desconhecem sua condição. Muitas vezes essas pessoas acabam recebendo diagnósticos de depressão, mas ao contrário das pessoas com depressão, pessoas com hipotireoidismo são extremamente sensíveis à temperaturas frias e podem sentir frio o tempo todo, geralmente apresentam pele seca, queda de cabelo frequente e voz rouca. Felizmente, o hipotireoidismo pode ser verificado com um simples exame de sangue e o seu tratamento requer apenas um comprimido por dia.

3. Diabetes

O diabetes é outra doença comumente confundida com a depressão. Muitas vezes, as pessoas desenvolvem diabetes tipo 2 sem reconhecê-la, os sintomas são: súbita perda de peso, cansaço e irritação. O corpo está tendo problemas para produzir insulina, mas como todos esses sintomas são comuns à depressão, muitas vezes a pessoa acaba recebendo o diagnóstico errado. A resistência à insulina, um dos precursores da diabetes tipo 2, foi significativamente associada à depressão.

Um estudo realizado em 2014 revelou que as pessoas que foram diagnosticadas com diabetes e depressão experimentaram uma redução dos sintomas de depressão após receberem o tratamento adequado para diabetes. Em outras palavras, os seus sintomas não eram ocasionados pela depressão, mas pelo fato de conviverem com o estresse que uma doença crônica pode causar.

4. Síndrome da fadiga crônica

A Síndrome da fadiga crônica, também conhecida como “encefalomielite miálgica”, é uma doença caracterizada por extrema fadiga sem causa aparente. Essa síndrome implica em dificuldade para se concentrar, dores musculares e problemas para dormir. Uma vez que estes sintomas também estão associados à depressão, as pessoas com Síndrome de fadiga crônica são frequentemente diagnosticadas com depressão. Um estudo publicado no “Journal of Clinical Psychiatry” descobriu que a Síndrome da fadiga crônica é ignorada em cerca de 80% dos casos, e que a depressão é o diagnóstico mais comum.

Felizmente, existe pelo menos uma diferença clara entre a depressão e a síndrome de fadiga crônica. Considerando que as pessoas com depressão ficam exaustas e desinteressadas pelos seus hobbies, as pessoas com síndrome da fadiga crônica, apesar de se sentirem cansadas, ainda desejam praticar seus hobbies.

Sim, a depressão existe!

A depressão é uma psicopatologia muito real e grave, que afeta milhões de pessoas a cada ano. A maioria das pessoas com depressão são diagnosticadas corretamente e se recuperam com o tratamento adequado, que geralmente envolve psicoterapia e medicação .

Ainda assim, sempre há a possibilidade de obter um diagnóstico errado. Então, se você estiver tratando um estado depressivo e não estiver sentindo qualquer progresso, é inteiramente possível que você tenha algum outro distúrbio que esteja imitando esta condição. Portanto, antes de iniciar o tratamento com antidepressivos, é bom fazer um exame de sangue para descartar algumas condições comumente confundidas com a depressão como o hipotireoidismo e o diabetes.

Fonte: PsychologyToday traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Raquel Lopes

Tradutora da Psiconlinews, estudante de Relações Internacionais, gosta de literatura, psicologia e viajar por aí.

follow me on: