Psiconlinews
Shares

Dependência emocional: 4 dicas para se tornar mais independente

Shares

dependencia-emotional

O amor pode ser muito divertido, principalmente no início do relacionamento. Tudo que você experimenta com o seu parceiro parece ser tão novo e incrível que faz você pensar que nada pode dar errado. No entanto, algumas coisas podem dar errado sim, como por exemplo, desenvolver uma completa dependência emocional pelo seu parceiro.





 Definição de dependência

A dependência emocional ocorre quando uma pessoa permite que outra pessoa (geralmente o parceiro) afete as suas emoções e sentimentos de tal forma que se torna dependente dela para ser feliz. Dessa forma, ela praticamente dá a outra pessoa o controle completo de suas próprias emoções, e isso não é nada saudável, pois impacta de forma negativa em sua autoestima. É diferente de uma relação saudável, na qual duas pessoas têm interdependência e permitem mutuamente que o outro a afete emocionalmente de uma forma mais branda.





É impossível amar outra pessoa sem precisar se submeter a alguma forma de controle, pois a total independência não permite que as pessoas formem vínculos, por isso é preciso ter em mente que deve haver um equilíbrio.

Uma associação sem fins lucrativos chamada “Saúde Mental na América” definiu a co-dependência como “uma condição emocional e comportamental que afeta a capacidade de um indivíduo de ter um relacionamento saudável e mutuamente satisfatório”. De acordo com Merriam-Webster, a co-dependência diz respeito a uma “dependência ou necessidade de ter controle sobre outra pessoa”. No entanto, no sentido psicológico ela é caracterizada como “uma condição psicopatológica na qual a pessoa é controlada ou manipulada por outra”.

Um estudo confirmou que “sete milhões de mulheres americanas estão deprimidas, já são mais de 40 milhões de americanos e principalmente as mulheres têm sido diagnosticadas como codependentes”. A dependência emocional também pode ser encontrada em pessoas com Transtorno de Personalidade Dependente. De acordo com o Instituto Nacional de Saúde dos EUA, essa é uma condição na qual as pessoas dependem muito dos outros para satisfazer as suas próprias necessidades, tanto físicas quanto emocionais, além disso,  essa condição pode se tornar crônica a longo prazo.

 Compreendendo a dependência





Mary Lamia,  psicóloga e psicanalista de uma clínica na Califórnia, lida com mulheres que são dependentes em seus  relacionamentos. Mary disse que já tratou muitas mulheres que eram totalmente dependentes em seus relacionamentos, pois haviam crescido com o senso de que deveriam ser assim para ter um bom relacionamento, e que esse era o propósito de suas vidas. Já outras mulheres, que pareciam ser bastante independentes em seus relacionamentos, tinham medo de ser abandonadas caso expressassem suas necessidades reais.

A autoestima inclui o reconhecimento do valor próprio, a capacidade de agir e influenciar a própria vida e ser responsável pelas próprias ações.

Isso é muito importante para a saúde mental de uma pessoa, pois deve haver um equilíbrio entre a dependência e a independência. Quando uma pessoa tem sua autoestima elevada de forma excessiva, ela é considerada narcisista, já uma pessoa sem autoestima tende a ser uma pessoa depressiva, em alguns casos é saudável ser dependente e ter a capacidade de confiar em outra pessoa, já em outros casos não. Ser emocionalmente independente implica em não se basear unicamente nas opiniões do parceiro ou de outra pessoa. Você precisa criar um senso próprio do que é bom para você e, a partir disso, ouvir as opiniões alheias não como verdades absolutas, mas como opções a considerar.

A psiquiatra Sudeepta Varma disse que “a dependência emocional não é uma doença, e nem sempre está presente com alguma doença, mas algumas pessoas com condições mentais como a depressão e a ansiedade podem apresentar dependência emocional. Uma maneira de ser mais independente emocionalmente é começar a projetar a sua vida e fazer planos por conta própria e não construir tudo em torno das opiniões de seu parceiro ou de outras pessoas. As pessoas precisam entender que tomar certas escolhas nem sempre é uma decisão fácil, e na maioria das vezes, ao tomamos certas decisões levamos em consideração apenas o que temos no momento, portanto, não devemos nos arrepender futuramente por ter tomado qualquer decisão, pois você sabe que fez o máximo possível com o que havia disponível.

É claro que todos nós queremos alcançar a interdependência que é o que acontece quando temos um senso de dependência própria e ao mesmo tempo conseguimos confiar nos outros de maneira saudável. Varma diz que “Você não pode estar lá pelo outros às custas de suas próprias necessidades”, você não pode se doar de tal maneira que suas vontades se tornem invisíveis para você, isso é extremamente prejudicial, então deve haver um equilíbrio nisso.

Para resumir, aqui estão as cinco principais maneiras de se tornar mais emocionalmente independente nos relacionamentos e na vida : 

1) Reconheça a sua autoestima e trabalhe em cima dela para que ela cresça, você pode fazer isso se você conseguir:

  •  Mudar a sua forma de pensar.
  • Ter mais pensamentos positivos sobre si mesmo.
  • Reconhecer as suas realizações, bem como os seus limites.
  • Planejar o seu futuro e buscar os seus objetivos.
  • Aceitar as suas decisões e perceber que você é capaz de fazer o que é melhor para si mesmo (e obter ajuda se não for capaz).

2) Perceba que se você tentar controlar tudo, incluindo os seus sentimentos, emoções e ações, vai se surpreender de forma negativa quando algo não planejado acontecer, então é preciso entender que imprevistos acontecem e que você não pode controlar tudo em sua vida. Não permita que o medo da falta de controle faça com que você deixe alguém tomar as decisões por você e controlar a sua vida.

3) Reconheça que as suas necessidades emocionais não dependem de uma pessoa. Trabalhe na construção de uma variedade de amizades, converse com um psicólogo.

4) Não permita que a sua vida gire em torno dos outros. Perceba que suas necessidades são importantes e que você precisa assumir o controle da sua vida para ser independente. Você pode compreender e reconhecer as necessidades dos outros, mas lembre-se de que você precisa viver a sua vida e não a vida que alguém quer que você tenha.

About the Author Raquel Lopes

Estudante de Relações Internacionais, gosta de literatura, psicologia e viajar por aí.

follow me on: