Psiconlinews
Shares

Irmão de Suzane von Richthofen é retirado de Cracolândia em São Paulo

Shares

Dentre os usuários de crack que têm sido encaminhados aos hospitais municipais de São Paulo desde que a prefeitura iniciou ações para tentar por fim à Cracolândia, há dez dias, um sobrenome chamou a atenção dos profissionais.





Na madrugada desta terça-feira, Andreas Albert von Richthofen, único irmão de Suzane von Richthofen, condenada pelo assassinato dos próprios pais, foi encontrado por policiais militares naquela região, segundo uma fonte, quando tentava pular o portão de uma casa que dizia ser de seu tio. Muito agitado, desorientado e agressivo, segundo agentes que o atenderam, ele foi levado pelos policiais para o Hospital do Campo Limpo, na zona sul da capital.





Atendido pela psiquiatra de plantão, tentou se jogar da maca quando soube que ficaria internado. Foi feito um cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) para o rapaz que completará 30 anos em julho. Andreas tinha apenas 15 anos quando os pais foram mortos pela irmã, em conluio com o namorado Daniel Cravinhos e o cunhado.

No prontuário, ao qual O GLOBO teve acesso, a médica afirma que os sintomas de Andreas eram condizentes com “abuso de substâncias ilícitas”. Quando chegou ao hospital ele estava, segundo os enfermeiros ouvidos pela reportagem, sujo, com os cabelos compridos e roupas em frangalhos. Tinha múltiplos ferimentos pelo corpo, mas em nenhum deles precisou levar pontos.

Sua preocupação constante era com uma medalhinha dourada em que se lia o sobrenome Richthofen, retirado de sua posse para evitar que ele se ferisse com o objeto. Limpo e medicado com tranquilizantes, Andreas foi colocado sozinho em um quarto, por discrição. A assistência social do hospital localizou um tio de Andreas, que havia se disposto a comparecer ao local, mas não havia aparecido até o início da noite.

Em 6 de março de 2015, Andreas falou pela primeira vez sobre o assassinato dos pais – a irmã, Suzane, e Daniel e Cristian Cravinhos foram condenados a 38 anos de prisão pelas mortes. Quando os pais Manfred e Marísia foram mortos na casa onde moravam, em 2002, Andreas tinha 15 anos. Há dois anos já era formado em Farmácia e doutor em Química Orgânica pela Universidade de São Paulo (USP), continuava loiro, mas com cabelos e barba mais escuros.






Sobre os assassinatos, evitou expor como se sentia, resumindo a dizer que o caso era “nojento”. Ele disse que se sente ferido toda vez que a imprensa divulgava informação sobre a morte dos pais, sobre os assassinos Daniel e Cristian Cravinhos ou os desdobramentos do caso.

A previsão era de que Andreas seria transferido para uma casa de tratamento de usuários de droga ainda nesta terça, mas a mudança dependeria do acompanhamento por um familiar.

Momentos de Suzane von Richthofen na prisão

Sem os pais e com a irmã presa e deserdada, Andreas passou a ser o único herdeiro do casal Manfred e Marisia. Seguiu-se uma longa disputa judicial para saber quem controlaria o dinheiro da família de classe alta paulistana. A Justiça deixou os recursos sob administração do tio, o médico Miguel Abdalla, que também foi tutor de Andreas até que ele se tornasse maior de idade. Suzane, que recentemente foi beneficiada com dias de liberdade graças ao indulto de dia das mães, chegou a demonstrar na cadeia interesse em se reaproximar do irmão. Essa aproximação, no entanto, nunca aconteceu.

Fonte: Globo.com

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: