Psiconlinews
Shares

10 gatilhos sorrateiros que podem desencadear um ataque de ansiedade

Shares

A ansiedade parece ser uma condição quase universal. Somente nos Estados Unidos, cerca de 40 milhões de adultos – ou 18% da população – sofrem de transtorno de ansiedade.





E esses números representam apenas os diagnosticados (ou seja, os casos relatados). O número real provavelmente é significativamente maior.

A verdade é que a nossa sociedade moderna tem uma parcela de culpa. Conseguimos construir uma infra-estrutura social “constantemente conectada” que permeia escolas, empresas e outros locais. Muitas pessoas estão sob constante pressão para ter sucesso; Mas, ironicamente, alavancando esta mesma infra-estrutura. Isso só agrava o problema.

“A prevenção é a melhor cura” é um axioma universal na comunidade médica, inclusive dentro da esfera da saúde mental. Compreender o que “desencadeia” certos sintomas ou condições podem – em alguns casos – reduzir drasticamente a probabilidade de um sintoma ou episódio se repetir.





Aqui nos concentramos em dez “gatilhos” estabelecidos que são conhecidos por induzir sintomas e condições de ansiedade. É nossa esperança que, ao entender o que provoca ansiedade, cada um de nós possa mitigar melhor as conseqüências adversas. Conheça alguns:

1. ÁLCOOL

O consumo de álcool para conter o início da ansiedade é uma armadilha que muitos caem. Depois de um período lidando com a ansiedade e seus estressores relacionados dessa maneira, alguns se transformarão em alcoólatras para se acalmarem.

Como depressor do sistema nervoso, o álcool pode “realizar” essa tarefa – mas apenas temporariamente. Após este período inicial, o álcool torna-se o catalisador da ansiedade – e este é o verdadeiro perigo de confiar na substância para aliviar pensamentos e sentimentos ansiógenos.

Encontrar uma saída mais construtiva e sustentável é altamente recomendado pelos profissionais de saúde.

2. NUTRIÇÃO / DIETA INADEQUADA





Nosso cérebro é um órgão “que tem fome” na medida em que requer certos componentes nutricionais – em níveis adequados – para funcionar adequadamente. Além disso, como o cérebro consome muitos dos recursos do nosso corpo (ou seja, energia), é fundamental que a nossa matéria cinzenta receba os referidos componentes nutricionais e nas quantidades certas.

A típica “dieta ocidental” é composta de alimentos altamente processados. Com carência de valor nutricional para fornecer ao corpo e ao cérebro adequadamente. De acordo com a Dra. Eva Selhub, editora colaboradora da Universidade de Harvard em publicações de saúde:

“…estudos compararam as dietas “tradicionais”, como a dieta mediterrânea e a dieta japonesa tradicional, à típica “dieta ocidental”, e mostraram que o risco de doença mental é de 25% a 35% menor em quem come uma dieta tradicional”.

Nutricionistas e outros profissionais de saúde recomendam minimizar o consumo de alimentos processados ​​e aumentar a quantidade de alimentos integrais e naturais que comemos.

3. COMPORTAMENTO ANTI-SOCIAL

Dependendo da personalidade da pessoa, o desejo de se envolver com outros seres humanos pode variar em uma escala de 1 a 10. Os introvertidos, por exemplo, requerem pouca interação social, enquanto os extrovertidos exigem interação social como meio de energia e motivação.

No entanto, isolar-se ao extremo pode causar algumas conseqüências não desejadas. Demasiada solidão, particularmente para os introvertidos, pode resultar em muita preocupação – prelúdio para um episódio de ansiedade.

Esta é uma recomendação altamente individualista e subjetiva, mas devemos buscar algum tipo de saída social para o melhoramento de nossa saúde mental.

4. ALGUMAS ENTRADAS SENSORIAS

Certas luzes, cheiros ou sons podem (às vezes, inexplicavelmente) afetar negativamente nosso estado de espírito. Além de ser um aborrecimento, eles causam uma reação de estresse – e, mais especificamente, uma reação de ansiedade.

O ruído, especialmente os sons graves ou altos, podem ativar e aumentar a atividade na amígdala – uma parte do cérebro responsável pela resposta de “luta ou fuga”. Os cheiros e sons são muito mais sutis, mas, no entanto, são um gatilho de ansiedade em alguns.

Ao entender e aceitar a noção de que certos estímulos podem provocar uma resposta de ansiedade, estaremos melhor equipados para administrar o nosso meio ambiente.

5. EXCESSO DE TRABALHO

A determinação de crescer e construir uma vida melhor é uma característica respeitável. No entanto, alguns indivíduos possuem uma motivação que – em certo ponto – se parece mais como uma obrigação do que com uma opção. Tais pessoas não “aproveitam o momento” de cada meta conquistada, mas, em vez disso, vivem na carência da “próxima meta a ser batida”.

Trabalhar constantemente para alcançar esta “próxima meta” pode alterar a química cerebral, fazendo com que qualquer “atraso” percebido possa engatilhar o sentimento de ansiedade.

6. FALTA DE SONO

O sono é essencial para o funcionamento normal do cérebro. Quando nos privamos desse estado de vital importância, podem surgir muitas consequências indesejáveis. Isso inclui, naturalmente, conseqüências psicológicas adversas.

Em última análise, nossa saúde mental e física sofrem como resultado.

Se conseguir uma boa noite de descanso tornar-se um problema consistente, recomenda-se procurar ajuda médica.

7. BAIXO AÇÚCAR NO SANGUE

Como mencionado, o cérebro é um órgão que tem ”fome”. Requer um fornecimento constante de glicose e outros nutrientes para funcionar adequadamente. Sem esses componentes nutricionais, somos suscetíveis a sintomas semelhantes a diabetes – tremores, tonturas, fraqueza, etc.

Além disso, o baixo nível de açúcar no sangue cria estresse desnecessário para o cérebro. Como resultado, o cérebro perceberá essa inadequação como uma ameaça, o que pode desencadear um episódio de ansiedade.

A solução é consultar um médico, nutricionista ou outro especialista que possa recomendar um regime alimentar que beneficie suas necessidades exclusivas.

8. GESTÃO DE ESTRESSE PRECÁRIO

Sem uma habilidade adequada para gerenciar o estresse, sucumbiremos facilmente aos gatilhos de ansiedade – internos e externos. O estresse cria e exacerba pensamentos e sentimentos de ansiedade, tornando o gerenciamento do estresse uma prioridade para aqueles que desejam aliviar a ansiedade e seus sintomas associados.

Praticar atenção plena e a respiração profunda pode ajudar a lidar com esses gatilhos.

9. PADRÕES DE PENSAMENTOS NEGATIVOS

Os pensamentos negativos reproduzem outros pensamentos negativos, cujas conseqüências podem ser devastadoras. Esses padrões de pensamento negativos tendem a piorar em grau ao longo do tempo, resultando em uma espiral negativa que alguns não conseguem sair.

Atividades positivas podem contrariar algumas ou todas as ansiedades experimentadas como resultado de tais padrões de pensamento. Esportes, meditação ou yoga são atividades que podem reduzir os padrões de pensamento negativos e ansiosos.

10. PERDA DE DIREÇÃO

Para aqueles que uma vez tiveram “uma visão” para suas vidas e, de forma realista ou perceptível, viram essa visão desmoronar, estão propensos a experimentar altos níveis de depressão, ansiedade e outras condições de problemas psicológicos.

Essas pessoas tendem a ser extremamente competitivas e orientadas para objetivos. Portanto, perder o sentido de propósito é devastador. Da mesma forma, outras pessoas que “perdem o caminho” tendem a sofrer crises de ansiedade em menor grau.

Novamente, uma psicoterapia pode ajudar a colocar as coisas em perspectiva.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: