Como a perda de um dos pais pode afetar a sua saúde mental

Shares

Tornei-me órfão quando tinha 52 anos. Apesar da minha idade e experiência profissional, a morte do meu pai me mudou para sempre. As pessoas dizem que é como perder uma parte de você mesmo, mas eu senti que a âncora da minha identidade era o que havia sido perdido.





Choque, entorpecimento, negação, raiva , tristeza e desespero são os sentimentos que a maioria das pessoas atravessa após a perda de um ente querido. Essas emoções podem persistir em vários graus por muitos meses depois. A maioria das pessoas experimenta esses sentimentos em etapas que não ocorrem em nenhuma ordem particular, mas diminuem em intensidade ao longo do tempo. Não importa quanto tempo demore, muitas pessoas ao seu redor podem ficar impacientes para que você se sinta melhor mais cedo. No entanto, algumas pessoas continuarão experimentando emoções intensas por anos após a perda, e esse sofrimento pode ter efeitos cognitivos, sociais e culturais.

O vínculo entre dor, dependência e doença mental





Estudos mostram que perder um pai ou mãe pode levar a um aumento do risco de desenvolver problemas de saúde mental e emocional a longo prazo, como depressão, ansiedade e abuso de entorpecentes. Isto é especialmente verdadeiro se a pessoa não receber um apoio durante o seu luto. Perder um dos pais na infância aumenta significativamente o risco de desenvolver problemas de saúde mental, cerca de uma em cada 20 crianças menores de 15 anos já sofreu a perda de um ou ambos os pais.

Outro fator que influencia o desenvolvimento de problemas de saúde mental é a percepção de proximidade com o falecido e o quanto essa perda mudará sua vida. Isso não quer dizer que as pessoas não experimentem sentimentos de dor se perderem um pai com o qual eles não sejam muito próximos ou conheçam bem – essa perda ainda pode ser sentida profundamente.

Os dados da pesquisa sobre os efeitos a longo prazo da perda parental indicam que o falecimento filial pode afetar a saúde mental e física, sendo os homens mais propensos a relatar problemas de saúde física. Os dados também mostram que o gênero influencia o impacto da morte dos pais – os homens que perdem seu pai parecem experimentar a perda mais intensamente do que as filhas, enquanto as mulheres que perdem a mãe parecem ter um impacto maior do que os filhos.

Intervenções sobre o sofrimento: quando você precisa de ajuda para recuperar a perda





A pesquisa sobre a teoria do vínculo e a teoria do luto levou ao desenvolvimento de intervenções que ajudam as pessoas a curar a dor de uma perda. As intervenções de luto são mais eficazes quando se concentram nos recursos pessoais do indivíduo, na capacidade de melhorar sua resiliência, bem como nos cuidados paliativos de membros da família nos meses que sucedem a perda. Quando uma pessoa experimenta um sofrimento complicado ou contínuo – sofrimento que persiste muito depois dos meses que se seguem à morte – podem ser justificadas intervenções e avaliações adicionais para problemas de saúde mental.

Uma vez que todos processam a perda a sua maneira e em sua própria linha de tempo individual, pode ser difícil reconhecer quando e se os sentimentos de perda se tornaram um sofrimento complicado. Também conhecido como transtorno complexo persistente do desapego, esta forma mais prolongada de sofrimento é geralmente marcada por emoções tão severas, dolorosas e duradouras que a pessoa não consegue aceitar a perda e retomar sua vida, mesmo muitos meses ou anos depois.

Os estágios de recuperação após a morte de um ente querido normalmente envolvem permitir-se experimentar a dor de sua perda, que gradualmente dará lugar à aceitação da realidade. O processo de cicatrização também envolve achar possível, com o tempo, desfrutar de outros relacionamentos. Se você continuar a experimentar um foco elevado de lembranças dolorosas de seu ente querido, uma psicoterapia pode ser útil.

O aconselhamento familiar também pode ajudar. A morte de um dos pais pode reviver feridas ou ressentimentos passados ​​ou alterar relacionamentos e dinâmicas familiares. Um psicoterapeuta familiar pode ajudar a resolver conflitos antigos e recentes, e ensinar maneiras construtivas para sanar esses problemas.

Há também grupos de apoio de luto que podem ajudar as pessoas a se sentirem menos isoladas em sua perda. Esses grupos podem ser encontrados nas comunidades locais, bem como online, através de organizações e fóruns de suporte. O luto complicado geralmente resulta em tentativas de auto-medicação com drogas ou álcool. Nesses casos, ambos os problemas podem ser abordados simultaneamente em um centro de reabilitação de drogas.

O autocuidado também é importante após uma perda. Você será mais capaz de processar seu sofrimento se não se esconder de seus sentimentos, pensamentos e memórias. Cuide bem de si mesmo comendo bem, descansando o suficiente, exercitando-se e tendo tempo para sofrer e descansar. Seja paciente consigo mesmo e com seus entes queridos aflitos. A aflição é um processo pessoal, mas você não precisa passar por isso sozinho.

Fonte: Psychology Today traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: