Psiconlinews
Shares

5 frases muito comuns que revelam um trauma de infância que não foi superado

Shares

Os traumas de infância são muito mais comuns do que gostaríamos de acreditar.





Uma série de estudos realizados por psicólogos da Duke University Medical School revelou que 78% das crianças relataram ter experimentado mais de uma experiência traumática antes dos 5 anos de idade. A partir dos 6 anos, 20% relataram experiências traumáticas, variando desde abuso sexual a negligência emocional, exposição a violência doméstica e perda traumática.

Pessoas que sofreram um trauma de infância também podem vir a desenvolver um transtorno de estresse pós-traumático complexo (PTSD-C), um problema caracterizado por dificuldades na regulação emocional, percepções distorcidas de abuso, dificuldades nas relações interpessoais e somatização.





No entanto, muitas vezes essas pessoas não estão conscientes de que têm um problema cuja origem se volta para a infância. Eles acreditam que deixaram seu passado para trás, mas isso os persegue inconscientemente.

Como um trauma da infância influencia na formação da identidade?

A formação de identidade é um processo complexo que ocorre ao longo da vida. A construção da identidade, incluindo o sentimento de ser suficientemente bom, a capacidade de integrar harmoniosamente emoção e razão, a consciência básica do estado emocional, sentir-se seguro e saber quem somos realmente, é afetada pelos traumas de infância. O que acontece é que a sobrevivência básica prevalece sobre o desenvolvimento equilibrado do “eu”.

Um trauma em tenra idade pode mudar o desenvolvimento do cérebro. De fato, sabe-se que um ambiente onde prevalece o medo e a negligência gera diferentes adaptações dos circuitos cerebrais, em comparação com um ambiente onde a criança se sente segura, protegida e amada. E o pior é que, quanto mais cedo essa angústia for vivenciada, mais os efeitos serão profundos e duradouros.

Portanto, muitas vezes a identidade de um adulto que sofreu traumas de infância está organizada em torno da necessidade de sobreviver e alcançar um nível básico de segurança em suas relações com os outros. Isso o leva a um ciclo vicioso no qual, por um lado, revive experiências desencorajadoras e traumáticas e, por outro lado, tende a evitar experiências orientadas para o crescimento.

Pessoas nessa situação identificam-se muito com um “eu traumático”, à custa de um sentido mais inclusivo e flexível de si mesmas. Eles se desprendem do seu ambiente e de si mesmos desde o início, como um mecanismo de sobrevivência, e podem permanecer desconectados de si mesmos durante a infância, adolescência e até mesmo na vida adulta, depois de saírem do ambiente tóxico. Na prática, eles continuam experimentando a necessidade de sobrevivência.

As frases que escondem uma “identidade traumática”





1. Perda da infância – “Eu não tive uma infância”

Quando as pessoas vivem uma infância particularmente angustiante, é bem comum que elas não consigam se lembrar dos primeiros anos de vida. Essas pessoas costumam dizer “eu não tive uma infância” ou “não me lembro muito de quando era criança”.

Eles podem se lembrar de alguns momentos particularmente vívidos, que são conhecidos como “memórias flash”, mas esses momentos não têm contexto, portanto não fazem muito sentido para a pessoa. É comum que não tenham uma história muito clara de si mesmos como crianças, até chegarem à adolescência ou até mesmo ao início da idade adulta.

No sentido autobiográfico, eles não têm o que é chamado de “narrativa coerente”, não conseguem falar sobre a sua história de vida seguindo um fio lógico. Na verdade, muitas pessoas até afirmam que sentem que sua infância foi roubada. E sem esse fundamento, a identidade do adulto está seriamente comprometida.

2. Perdeu parte de si mesmo – “Sinto que perdi alguma coisa”

Devido aos traumas de infância, as crianças geralmente reagem se desconectando de partes importantes de si mesmas para sobreviver, é um tipo de mecanismo de dissociação. Essas pessoas costumam dizer: “Sempre senti que falta algo, mas não sei o que é”.

O problema é que eles tendem a se desconectar de áreas sensíveis, ao mesmo tempo em que reforçam outras esferas, como uma medida de compensação para escapar do sofrimento emocional. Desta forma, uma criança com problemas em casa pode tentar se tornar um estudante modelo.

Mais tarde na vida, você pode descobrir que tem grandes habilidades em certas esferas enquanto outras permanecem completamente esquecidas, geralmente são aquelas ligadas a emoções, autoconhecimento e relações interpessoais.

3. Evitar-se – “Eu me sinto mal quando penso em mim mesmo”

Muitas das pessoas que sofreram traumas de infância dizem: “Eu não gosto de pensar em mim mesmo, isso só me faz sentir mal”. Esse sentimento é particularmente intenso quando o trauma está relacionado a pessoas importantes e importantes em sua vida, como pais ou irmãos.

O problema é que o exercício da introspecção, o ato de se aprofundar em si mesmo, torna-se um lembrete dessas experiências dolorosas, o que implica numa reconstrução da própria identidade, e muitas vezes é muito mais fácil escapar de si mesmo do que enfrentar problemas tão profundos.

Essas pessoas podem aprender a viver desconectadas de seu “eu”, mas isso geralmente os leva a comportamentos autodestrutivos ou à profunda insatisfação, porque eles realmente não sabem o que querem ou não conseguem construir um projeto de vida.

4. Relações destrutivas – “Sinto atração por pessoas que não me adequam”

Não é incomum que pessoas traumatizadas por seus pais ou cuidadores acabem estabelecendo amizades, relacionamentos românticos ou até mesmo vínculos de trabalho, que não são bons para eles. Eles costumam dizer frases como “Eu atraio pessoas que não me convém” ou “Eu tenho um ímã para pessoas que me machucam”.

O problema é que essas pessoas encontram pessoas que se encaixam na sua identidade traumática, mesmo que se esforcem para tomar decisões diferentes ou para que os outros o alertem que esses relacionamentos não sejam benéficos. Isso gera um ciclo vicioso de re-traumatização através da repetição do passado.

Como resultado, eles podem acabar cercados por pessoas emocionalmente indisponíveis, abusivas ou narcisistas, ou acabar tentando resgatar e “consertar” essas pessoas, assumindo o papel de “salvador“. É óbvio que essas pessoas querem encontrar alguém que possa proporcionar-lhes a estabilidade emocional que eles precisam, mas inconscientemente sentem uma “química” poderosa para o perfil do abusador psicológico .

Os traumas contínuos e os enganos, levam-nos a pensar que ” é melhor estar sozinho”. O despertar de relacionamentos destrutivos levou-os a assumir uma imagem pessimista dos outros, acreditando que eles sempre os ferirão.

5. Desconexão emocional da identidade – “As emoções são um obstáculo”

Quando os sentimentos não têm lugar na família de origem, as emoções são separadas da identidade. Se uma pessoa cresceu com frases como “chorar é para os fracos”, ou foi punido ou repreendido cada vez que expressou suas emoções, ela não poderá desenvolver um vínculo saudável com essa parte de seu “eu”.

As emoções continuarão presentes, embora muitas pessoas se apeguem à crença de que “não são emocionais”, ou de que “as emoções são apenas um incômodo”. É por isso que as emoções acabarão gerando confusão e caos, uma vez que essa pessoa não será capaz de reconhecê-las e gerenciá-las de forma assertiva, já que só aprendeu a escondê-las e reprimi-las.

O problema é que precisamos das emoções até mesmo para tomar decisões na vida. A desregulação emocional nos desconecta da nossa intuição, e pode nos levar a tomar decisões impulsivas e a prejudicar nossas relações com os outros.

Outros podem descrever um sentimento de anestesia emocional, uma vez que só conseguem experimentar uma gama limitada de emoções. Na verdade, muitas vezes apenas se referem a emoções vagas, como a frustração e o tédio, porque não aprenderam a reconhecer seus estados emocionais. Também é comum bloquear sensações como a insatisfação, até ampliar, como uma explosão de raiva contida.

Sem dúvida, as conseqüências dos traumas de infância na idade adulta são desencorajadoras. No entanto, a pessoa pode reconstruir sua identidade e refazer esse “eu” traumatizado. Isso implica em voltar ao passado para aceitar essas experiências dolorosas, para que elas possam ser integradas na história de vida e serem superadas.

Existem duas chaves fundamentais:

1. Compreender que agora estamos seguros e que não somos mais aquela criança assustada e,

2. Suponhamos que, apesar de sermos adultos, é provável que continuemos a processar emocionalmente as experiências traumáticas como crianças. Perceber e assumir essas realidades é muitas vezes libertador.

Lembre-se de que sempre é possível reconectar-se consigo mesmo, mesmo que seja necessário remover várias camadas para reconstruir uma identidade mais saudável. Sem dúvida, é um processo difícil, e pode ser necessário recorrer à ajuda de um psicólogo, mas investir em si mesmo é o melhor que você pode fazer. Não é necessário continuar carregando o fardo do passado, de um modo que ele limite o seu presente e obscureça o seu futuro.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: