A psicologia por trás do racismo

Shares

Para erradicar uma epidemia global, primeiro devemos tentar entendê-la.





Mesmo que possa parecer uma tarefa impossível, quando se trata de racismo, antissemitismo e outras formas de intolerância, isso é necessário se quisermos ser bem-sucedidos na luta contra a intolerância.

Psicólogos têm tentado entender a psicologia por trás desse tipo de ódio por décadas. Embora nenhuma causa singular tenha sido identificada, a maioria dos teóricos concorda que há fatores consistentes que podem ajudar a explicar a epistemologia do racismo.

 É apenas um preconceito?





É importante ressaltar a diferença entre os termos preconceito e racismo, pois não são conceitos intercambiáveis. Embora todos os racistas sejam preconceituosos, nem todos os preconceituosos são racistas. O preconceito é um fenômeno humano que envolve  estruturas cognitivas que aprendemos no início da vida.

O racismo, por outro lado, é um preconceito contra um grupo particular de pessoas com base em diferenças percebidas, às vezes tomadas ao extremo. Nem todos os indivíduos que discriminam outros com base em suas diferenças são motivados pelo ódio. As imagens perturbadoras de grupos de ódio que assistimos ocasionalmente – que alguns descrevem como uma reminiscência assustadora da Alemanha nazista do início do século XX – não representam todos aqueles com visões intolerantes. Ainda existe o encantamento menos explícito, mais insidioso, do racismo, que pode não ser tão visível, mas não é menos destrutivo e crucial para podermos entender esse fenômeno. Você não pode enfrentar um sem reconhecer o outro.

Nem todo o ódio é o mesmo

Em sua busca para entender e combater o fanatismo, o psicólogo Abraham Maslow pediu: “Aprenda a odiar a maldade. Cuidado com qualquer pessoa que seja má ou cruel. Cuidado com as pessoas que se deleitam com a destruição”.

Odiar é humano e até pode servir como uma motivação para o bem. De acordo com o terapeuta cognitivo-comportamental Marion Rodriguez, “O ódio pode ser racional, como quando odiamos atos injustos… Por outro lado,” ela diz “, o ódio por certos grupos étnicos, religiões, raças ou orientações sexuais se baseiam em crenças irracionais que levam ao ódio de outras pessoas, bem como aos crimes de ódio. É a crença de que outros “grupos” são inerentemente falhos ou inferiores ou são vistos como uma ameaça. Muitas vezes, esses grupos são desumanizados e deslegitimados, tornando mais fácil odiar”.

Fatores psicológicos





Qualquer um dos vários fatores pode estar por trás do ódio extremo. As que listamos a seguir são perspectivas baseadas em algumas teorias.

Medo

As atitudes de ódio extremo geralmente são baseadas no medo. Elas provêm de mecanismos de sobrevivência primitivos – nosso instinto para evitar o perigo – temer qualquer coisa que pareça ser diferente, o que leva ao medo do outro. “Quando um grupo de pessoas inconscientemente sente medo como resposta a um grupo diferente – teme que seu próprio nível de segurança, importância ou controle esteja sendo ameaçado – ele desenvolverá esses pensamentos e comportamentos defensivos”, diz psicólogo e assessor político Dr. Reneé Carr. “Eles criarão crenças negativas e exageradas sobre o outro grupo para justificar suas ações numa tentativa de garantir sua própria segurança e sobrevivência”.

A necessidade de pertencimento

Ironicamente, alguns membros de grupos de ódio são motivados pela necessidade de amor e pertença – uma necessidade básica de sobrevivência. Para alguns, especialmente para aqueles que têm dificuldade em formar conexões interpessoais genuínas, a identificação com extremistas e grupos de ódio, como neonazis, é uma forma de se enturmar. “A mentalidade do ”outro” versus eles faz com que se sintam mais próximos do grupo com o qual se identificam, o que oferece um suporte social”, diz o psicólogo Dr. John Paul Garrison. “Essa é uma versão severamente pervertida de um apoio social saudável, mas o anseio de se identificar e se aproximar dos outros é um desejo saudável”.

Projeção

A projeção é um dos nossos mecanismos de defesa naturais, e isso nos permite evitar o enfrentamento com as nossas próprias falhas, transferindo ou projetando-as para os outros. “As características que as pessoas odeiam sobre os outros são as coisas que temem dentro de si mesmas”, diz a psicóloga Dra. Dana Harron. “A ideia aqui é: “Eu não sou terrível, você é “. O indivíduo que sente o ódio acredita, em algum nível profundo, que essas coisas podem ser verdadeiras sobre ele mesmo”.

Incompetência emocional

Loma K. Flowers, MD define a competência emocional como a integração do pensamento, dos sentimentos e do bom julgamento antes da ação. Isso é mais do que pensar antes de agir – é integrar antes de agir. É entender as origens das emoções negativas que, como todas as nossas emoções, merecem respeito e cuidado, pois são importantes para o nosso senso de si mesmo. Flores afirma:

É aqui que os fanáticos e os odiadores perdem o equilíbrio. É mais fácil acreditar em falácias do que pensar e entender a si mesmos. Muitas vezes, as pessoas engolem a retórica racista e as suposições não ditas sem examinar as questões apresentadas. Eles podem encontrar conforto em uma crença de superioridade e num direito inerente.

O racismo não é uma doença mental

Alguns especialistas questionaram se o racismo e outras formas de fanatismo podem ser classificados como doenças mentais. Fazer isso não só seria ofensivo para aqueles que sofrem de verdadeiras doenças mentais, mas também absolveria os membros de grupos de ódio e outros extremistas da sua responsabilidade moral. “Embora o racismo não seja uma doença mental, o espectro das atitudes racistas é muito amplo”, diz Garrison. “Há distúrbios de personalidade, como o transtorno de personalidade antisocial, que são definidos pela falta de empatia, e podem predispor os indivíduos a serem capazes de extremas atitudes racistas”.

No entanto, ninguém nasce racista. Não existe um gene que determine a predisposição para odiar ou a para ser fanático. São atitudes e comportamentos aprendidos. Em seu livro Os racistas são loucos?: Como o preconceito, o racismo e o anti-semitismo se tornaram marcadores da insanidade, o historiador Sander Gilman e o sociólogo James M. Thomas insistem: “Não vamos evitar a responsabilidade. Certifique-se de que as pessoas que dizem coisas más, que fazem coisas más, que acreditam em coisas más, devam assumir a responsabilidade pelo que fazem”.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: