Psiconlinews
Shares

O seu melhor amigo na infância ou adolescência pode influenciar a sua inteligência na fase adulta

Shares





Imagine-se com 11 anos: quem eram seus melhores amigos e quão inteligente eles eram? A resposta pode ter moldado a sua vida mais do que você imagina. Um novo estudo publicado PsyArXiv relata que o QI dos participantes aos 15 anos estava correlacionado com o QI de quem era seu melhor amigo anos antes.





Já sabemos, graças a pesquisas anteriores, que nossos colegas de idade escolar moldam nossas personalidades, nossa capacidade de autocontrole e as chances de ter problemas mentais, por isso é de se esperar que eles também afetem a nossa inteligência e vice-versa. Surpreendentemente, no entanto, essa possibilidade não havia sido estudada antes. “Nossas descobertas adicionam outra camada de evidência para a importante influência dos amigos em vários aspectos durante a adolescência”, disseram os pesquisadores.

Ryan Charles Meldrum e seus colegas, da Universidade Internacional da Flórida, usaram dados coletados de centenas de famílias residentes em 10 cidades dos EUA entre 1991 e 2007, como parte de um estudo realizado pelo Instituto Nacional de Desenvolvimento Infantil e Humano. Isso incluiu resultados de testes de inteligência de 715 crianças participantes concluídas quando tinham 10 anos e, novamente, quando tinham 15 anos. Os melhores amigos das crianças “alvo” também haviam completado um teste de inteligência quando tinham entre 11 e 12 anos (a maioria dos melhores amigos eram do mesmo sexo que as crianças alvo e não eram mais do que dois anos mais velhos ou mais jovens).





O QI das crianças alvo aos 15 anos estava fortemente correlacionado ao QI de seu melhor amigo quando este tinha entre 11-12 anos de idade. Isso pode ser devido em grande parte ao fato de que as crianças gostam de ser amigos de outras crianças semelhantes a elas. De forma crítica, no entanto, o QI das crianças alvo aos 15 anos, baseado em um composto de três testes, ainda estava associado (β = 0,08 em uma regressão múltipla) com o QI de seus melhores amigos aos 11-12 anos, mesmo depois de avaliar o próprio QI quando tinham entre 10 e 11 anos, bem como uma série de mais outras nove variáveis , como o QI e o nível de educação de suas mães e as oportunidades de “enriquecimento” de sua família. Isso fornece evidências de que as crianças alvo não tinham escolhido apenas amigos de infância com um QI semelhante ao delas.

O novo estudo não pode falar sobre como um melhor amigo de infância afetará nossa inteligência futura, mas pode-se imaginar que se seu melhor amigo estivesse motivado para estudar arduamente, isso aumentaria sua própria motivação acadêmica, com conseqüências positivas e duradouras para o seu QI. Só por ter tido um amigo inteligente, você provavelmente absorveu alguns de seus conhecimentos e habilidades. Por outro lado, se seu melhor amigo não fosse tão inteligente, você não teria aprendido a gostar desses hábitos e, consequentemente, adquirido esses benefícios cerebrais.

Uma advertência a ter em mente é que os testes de QI utilizados neste estudo, como o Peabody Picture Vocabulary Test, consideram o que é conhecido como “inteligência cristalizada”, que se refere ao nosso conhecimento; em vez da “inteligência fluida”, que é mais sobre a agilidade mental. Também não houve uma medida de QI dos pais que possa ter confundido os resultados, potencialmente influenciando o QI das crianças alvo e quem elas escolheram ter como melhor amigo. A pesquisas futuras também precisam analisar o efeito do QI do grupo de pares em conjunto, não apenas um melhor amigo individual, embora presumivelmente sua influência seja a mais forte.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: