Psiconlinews
Shares

Descubra se você tem a síndrome da boa menina e como pode superá-la

Shares






Eu fui criada para ser uma menina educada e respeitosa. Fui ensinada a pensar nos outros e em seu bem-estar. E conscientemente me esforçava para tratar os outros da mesma maneira que eu gostaria de ser tratada. Em suma, eu estava sempre tentando ser uma boa menina .

A princípio, acreditei que todos eram assim. Acreditava que todos iriam dar um jeito para se tratarem bem. Eu pensava que todos viviam em um mundo em que respeitamos as escolhas uns dos outros. Acreditava que ser atencioso com os outros significava que eles também seriam comigo. Mas eu estava errada.





Claro, eu também me deparei com toneladas de lindas almas. Fiz muitas conexões com pessoas adoráveis ​​e respeitosas. É nesse grupo de pessoas que encontrei meus amigos mais próximos, meus mentores mais inspiradores e meus clientes mais maravilhosos.

Por outro lado, muitas pessoas viram a minha educação como uma oportunidade para testar meus limites. Muitas pessoas viram meu ser gentil como um sinal verde para me pisotear. Aparentemente, quando você é visto como uma boa garota, as pessoas pensam que podem fazer qualquer coisa, porque sabem que você continuará se comportando como um adulto maduro e respeitoso, independentemente do que jogarem na sua cara.

O pior de tudo é que eu me vi sendo sugada para esse papel cada vez mais. Sempre tentando agradar todos ao meu redor. Tornei-me uma perfeccionista obsessiva, especialmente quando se tratava de como eu me apresentava e agia. Enquanto fingia desfrutar de tudo isso com um sorriso no rosto. Às vezes eu ficava tão envolvida que até acreditava erroneamente que estava realmente feliz agindo daquele jeito. Era aterrorizante e exaustivo.

Um estudo da Universidade de Stanford relatou que os adjetivos mais desejáveis ​​para uma mulher foram compassiva, calorosa, alegre, de fala mansa e leal – todas as qualidades de uma  boa menina. Por outro lado, quando os mesmos participantes foram solicitados a listar os adjetivos desejáveis ​​para um homem, as qualidades mais citadas foram independente, assertivo, dominante e decidido. Aparentemente, as mulheres são mais desejáveis ​​quando são fracas, e os homens, quando são fortes.

Pesquisas sugerem que esse viés de gênero começa desde muito cedo, ainda na infância. As meninas precisam ser emocionalmente maduras e melhor comportadas, portanto, recebem a orientação “seja uma boa menina” de seus pais a partir de uma idade mais precoce. Esse padrão continua na educação formal, onde as mulheres se concentram na excelência acadêmica. Até, por fim, evoluir para o ambiente de trabalho, onde as mulheres tendem a se esforçarem mais para serem agradáveis, pois tentam ser perfeitas e evitar ao máximo receber um feedback negativo.





É hora de parar com isso. É hora de parar de querer ser uma boa garota e começar a querer ser uma garota forte. Aqui estão algumas dicas:

1. Peça o que você deseja e merece.

Um estudo da Harvard Business Review mostrou que apenas 7% dos graduados femininos de MBA tentaram negociar seu salário com seus novos empregadores. E os homens? 57 por cento deles negociaram. Esta é a prova de que você não conseguirá o que quer e merece se não pedir. Deseja assumir um novo projeto no trabalho? Peça por isso. Quer um aumento ou um bônus? Justifica-o ao seu chefe. Quer um melhor tratamento do seu amigo imprudente? Diga-lhe.

2. Aprenda a dizer não.

As pessoas sempre pedirão ajuda. Você provavelmente também o faz, assim como eu. Não há nada de errado com isso, e nada de errado em ajudar. A menos que esteja exausto. Você não pode dizer sim a tudo, não pode ajudar a todos. Você precisa colocar a si mesmo, sua saúde e bem-estar como prioridades essenciais na sua vida. Se você não fizer isso, não restará nada para você ajudar ninguém.

3. Fale.

Se alguém a desrespeitar, não ignore. Se alguém estiver sendo rude, não se faça de desentendida. Se alguém tentar mudá-la, diga-lhe que você já está muito satisfeita com quem é. Se você não falar, ninguém irá ouvi-la. Se você não colocar limites, as pessoas continuarão se aproveitando. Seja corajosa, seja ousada, seja ambiciosa.

4. Mantenha o seu terreno.

Não há nada errado em viver a vida de acordo com seus valores. Não há nada errado em fazer as escolhas de vida certas para você. Não há nada errado com você. Acredite nisso. Muitas vezes os outros tentam influenciar sua trajetória de vida ou dar opiniões sobre o que elas acham que você deveria fazer, especialmente se você for uma boa menina. Não deixe que eles influenciem você. Agradeça-lhes pela contribuição e diga que você tomou sua decisão com base no que acredita que é certo.

5. Trate os outros como você gostaria de ser tratado.

Transformar uma boa menina em uma garota forte não significa que você deva ser rude. Você continuará sendo educada, atenciosa e respeitosa – mas exigirá a reciprocidade em troca.

 

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on: