O efeito Dunning-Kruger: Quanto menos sabemos, mais inteligentes pensamos que somos

Shares

dunning-kruger - dunning kruger - O efeito Dunning-Kruger: Quanto menos sabemos, mais inteligentes pensamos que somos

efeito Dunning-Kruger nos ensina que as pessoas com menos habilidades e conhecimento tendem a superestimar as capacidades que realmente possuem, e vice-versa. Assim, os mais capazes e competentes se subestimam. Como esse estranho fenômeno é explicado?





O criminoso inepto que tentou ser invisível com suco de limão

Em meados da década de 1990, um habitante de 44 anos de Pittsburgh roubou dois bancos em sua cidade em plena luz do dia, sem nenhum traje ou máscara para cobrir seu rosto. Sua aventura criminal terminou dentro de algumas horas depois.





Quando preso, McArthur Wheeler confessou que tinha aplicado suco de limão em seu rosto, na crença de que o suco o tornaria invisível para as câmeras. “Eu não entendo, usei o suco de limão”, falou em soluços no momento de sua prisão.

Mais tarde, soube-se que a idéia sem precedentes do suco era uma sugestão que dois amigos de Wheeler comentaram dias antes do assalto. Wheeler testou a ideia aplicando suco em seu rosto e tirando uma foto para se certificar da eficácia. Na fotografia, o rosto dele não apareceu, provavelmente porque o enquadramento tinha sido um pouco desajeitado e acabou se concentrando no teto da sala em vez do rosto coberto com suco de limão. Sem perceber, Wheeler deu por certo que ficaria invisível durante o assalto.

Meses depois, o professor de psicologia social na Universidade de Cornell, David Dunning, não conseguia acreditar na história do intrépido Wheeler e do suco de limão. Intrigado pelo caso, especialmente pela incompetência exibida pelo ladrão frustrado, ele se propôs a realizar uma investigação com uma hipótese anterior: poderia ser possível que minha própria incompetência me deixasse inconsciente dessa mesma incompetência?

Uma hipótese, algo artificial, mas isso teve muito sentido. Para realizar o estudo que elucidou se a hipótese era verdadeira, Dunning escolheu um aluno brilhante, Justin Kruger, com o objetivo de encontrar dados que confirmariam ou refutariam a ideia. O que eles acharam os deixou ainda mais surpresos.

A investigação





Um total de quatro investigações diferentes foram realizadas, tendo como amostra os alunos da Faculdade de Psicologia da Universidade de Cornell. A competência dos sujeitos nas áreas de gramática , raciocínio lógico e humor (que pode ser definido como a capacidade de achar algo engraçado) foi estudada.

Os participantes do estudo foram questionados, um por um, sobre como estimavam seu grau de competência em cada um dos campos nomeados. Mais tarde, eles foram convidados a responder uma prova escrita para verificar suas reais competências em cada uma das áreas.

Todos os dados foram coletados e os resultados foram comparados, para observar se algum indicador de correlação foi encontrado. Como você pode imaginar, foram encontradas correlações muito relevantes.

Os investigadores perceberam que quanto maior a incompetência do sujeito, menos consciente ele era dela. Por outro lado, os assuntos mais competentes e treinados eram aqueles que, paradoxalmente, tendiam a subestimar suas competências.

Dunning e Kruger tornaram públicos os resultados e as conclusões do seu interessante estudo. Você pode verificar o documento original aqui.

Conclusões sobre o estudo Dunning-Kruger

Os resultados lançados pelo artigo científico podem ser resumidos em uma série de conclusões. Podemos assumir que, para certas competências ou em relação a uma certa área de conhecimento, pessoas incompetentes:

  1. São incapazes de reconhecer sua própria incompetência.
  2. Tendem a não reconhecer a competência de outras pessoas.
  3. Não são capazes de tomar consciência de quão incompetentes são em uma área.
  4. Se forem treinados para aumentar sua competência, serão capazes de reconhecer e aceitar sua incompetência anterior.

Quanto mas ignorantes, mais se percebem inteligentes

Conseqüentemente, o indivíduo que se orgulha de saber cantar como um anjo, mas seus “concertos” estão sempre desertos, é um sinal claro do efeito Dunning-Kruger. Também podemos observar este fenômeno quando os especialistas em algum campo oferecem opiniões e considerações tranquilas sobre um problema, enquanto as pessoas ignorantes na matéria acreditam ter respostas certeiras e simples para as mesmas perguntas.

Você conhece algum profissional médico? Certamente você pode dizer como é a sensação de tomar um medicamento não-prescrito pelo médico com base na ideia equivocada de que, como paciente, “você já sabe o que é bom e o que não é”. A automedicação, neste caso, é outro exemplo claro do efeito Dunning-Kruger.

Por que esse fenômeno ocorre?

Como Dunning e Kruger apontam, essa percepção irreal deve-se ao fato de que as habilidades e competências necessárias para fazer algo certo são, precisamente, as mesmas habilidades necessárias para estimar com precisão o desempenho na tarefa.

Vamos dar alguns exemplos. No caso de minha ortografia ser excepcionalmente ruim, meu conhecimento é necessário para detectar que meu nível em termos de ortografia é muito baixo e, portanto, ser capaz de corrigir meu desempenho é, precisamente, conhecer as regras da ortografia. Só sabendo as regras da escrita serei capaz de tomar consciência da minha incompetência, ou no caso de uma terceira pessoa fizer uma observação, alertando-me sobre os erros de ortografia que fiz quando escrevi um texto. Detectar minha falta de habilidades nesta área não corrigirá minhas lacunas a esse respeito automaticamente. Apenas ficarei ciente de que minhas habilidades exigem mais atenção. O mesmo vale para qualquer outro campo do conhecimento.

Quanto às pessoas que subestimam suas habilidades, podemos dizer que isso ocorre devido ao efeito do falso consenso: eles tendem a pensar que “todos fazem o mesmo”, assumindo que suas habilidades estão dentro da média. No entanto, na realidade, suas habilidades são claramente superiores.

Refletindo sobre o efeito Dunning-Kruger

Se pudermos aprender qualquer coisa com o efeito Dunning-Kruger, não devemos prestar muita atenção quando alguém nos diz que é “muito bom” em algo, ou que “sabe muito” sobre isso ou aquilo. Isso dependerá de como essa pessoa estima suas próprias habilidades, que podem estar erradas de uma maneira ou de outra: seja porque ele superestima ou subestima suas habilidades.

No momento de encontrar e contratar uma pessoa que se dedica a uma área complexa, da qual não temos muitas noções (um cientista da computação, um arquiteto, um assessor fiscal…), nos falta o conhecimento necessário para avaliar seu nível de competência na matéria. É por isso que é tão valioso consultar a opinião de ex-clientes ou amigos que conhecem essa área específica.

Uma coisa curiosa sobre este efeito psicológico é que, além disso, as pessoas incompetentes “não apenas chegam a conclusões erradas e tomam decisões ruins, mas sua incompetência não lhes permite tomar consciência disso”, diz Dunning e Kruger.

A partir desta reflexão emerge outra igual ou até mais importante. Às vezes, a responsabilidade pelas falhas que experimentamos ao longo da vida não é devido a outras pessoas ou à má sorte, mas a nós mesmos e nossas decisões. Para isso, devemos realizar um exercício de autoavaliação quando encontramos um desses obstáculos em um projeto ou trabalho em que estamos imersos.

Absolutamente ninguém é especialista em todas as disciplinas do conhecimento e áreas da vida. Todos nós temos deficiências e ignoramos muitas coisas. Cada pessoa tem algum potencial de melhoria em qualquer fase de sua vida: o erro é esquecer este ponto.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment:

2 comments
Add Your Reply