Psiconlinews
Shares

Síndrome do pavio curto: entre desapontamentos e frustrações, ataques de ira.






O que é o Transtorno Impulsivo Intermitente e o que o caracteriza?

O Transtorno Explosivo Intermitente (TEI), também conhecido como “Síndrome do pavio curto”, é um transtorno do impulso caracterizado por episódios de descontrole emocional e dos impulsos, ocasionando ataques de raiva e agressividade, sejam verbais ou mesmo físicos. Os ataques de fúria são desproporcionais ao evento desencadeador, onde ocorre uma manifestação comportamental intensa de impulsividade e agressividade diante de situações muitas vezes irrelevante.

Padrão comportamental dos ataques de raiva:






No transtorno Explosivo Intermitente, os ataques de ira são repentinos, bruscos, não premeditados e seguidos por arrependimento, tristeza, sentimento de inadequação, vergonha social e “ressaca moral”. Indivíduos relatam que no momento da raiva incontida, a “vista escurece”, não havendo controle dos impulsos agressivos. E’ como se fosse uma “bomba emocional”, seguida por conseqüências avassaladoras em todas as áreas da vida do indivíduo. Depois que o momento da raiva passa e a pessoa se sente aliviada, ela “cai em si” e passa a racionalizar a incoerência de suas atitudes, posturas e comportamentos; no entanto, os efeitos permanecem, afetando seus relacionamentos afetivos, ocupacionais e sociais, posto que normalmente as pessoas do convívio tendem a evitar ou mesmo se afastar do indivíduo por ser desencadeador de tensões interpessoais por questões irrisórias.

Perfil de personalidade:

São indivíduos que não sabem administrar as próprias emoções, possuem poucos recursos para lidar com a rejeição e frustrações da vida. Procuram explicar seus ataques de ira atribuindo a culpa a terceiros ou situações percebidas como estressoras. São muito comuns no discurso do paciente após um ataque de ira as seguintes frases: “Ele(a) me provocou”, “Fui injustiçado, tive que reagir”, dentre outras. A questão é que a reação comportamental é sempre desproporcional ao “evento eliciador” que precipitou o ataque de ira.

Quais são as causas?






As causas são multifatoriais, ou seja, fatores genéticos, neuroquimicos (baixos níveis de serotonina no cérebro) e comportamentais são os fatores causais do transtorno. Uma das explicações mais aceitas é o modelo comportamental aprendido através da modelagem de condutas agressivas de figuras parentais importantes, tais como os pais, tios, irmãos e/ou pessoas significativas ou de referencia na vida do indivíduo.

Como é feito o diagnóstico?

Para um diagnóstico preciso, alguns fatores devem ser levados em conta. Os critérios para o diagnóstico do Transtorno Explosivo intermitente são feitos critérios para o diagnóstico do Transtorno Explosivo intermitente é feito por exclusão de outras doenças e transtornos, lesão cerebral, bem como levar em conta a freqüência dos episódios de fúria, com pelo menos dois a três ataques por semana, por um período mínimo de 3 meses ininterruptos, tendo como característica comportamental a reação desproporcional e intensa a problemas que poderiam ser resolvidos com parcimônia e assertividade. Vale à pena salientar que um ataque episódico ou isolado de raiva não é elemento suficiente para diagnosticar o TEI. Além disto, deve-se considerar se o indivíduo faz abuso de álcool e outras drogas licitas ou ilícitas.

Tratamento:

O tratamento consiste na associação de medicação e psicoterapia. Dentre os fármacos se utilizam os estabilizadores de humor e antidepressivos. Na psicoterapia, utiliza-se principalmente o treino de habilidades sociais, técnicas de respiração e relaxamento.

Estratégias de enfrentamento para lidar com o Transtorno Impulsivo Intermitente:

Como já foi explicitado acima, por conta da dificuldade em lidar com os impulsos, sem avaliar os danos subseqüentes, agindo emocionalmente para depois avaliar racionalmente e por conta do conseqüente prejuízo social e relacional, bem como perdas por conta dos ataques de ira, é imprescindível iniciar uma psicoterapia para o indivíduo compreender porque reage desta forma e aprender a gerenciar suas emoções de modo construtivo, aprendendo a lidar com os imprevistos negativos, as frustrações, a raiva, os desapontamentos e decepções que fazem parte da vida de qualquer ser humano.

About the Author Soraya Rodrigues de Aragão

Soraya Rodrigues de Aragão é psicóloga, psicotraumatologista, escritora e palestrante. Realizou seus estudos acadêmicos na Unifor e Università di Roma. Equivalência do curso de Psicologia na Itália resultando em Mestrado. Especializou-se em Psicotraumatologia pela A.R.P. de Milão. Especializanda em Medicina Psicossomática e Psicologia da Saúde - Universidad San Jorge (Madri) e Sociedad Española de Medicina Psicosomática y Psicoterapia. Sócia da Sociedade Italiana de Neuropsicofarmacologia e membro da Sociedade Italiana de Neuropsicologia. Autora do livro Fechamento de Ciclo e Renascimento: este é o momento de renovar a sua vida. Edições Vieira da Silva, Lisboa, 2016; e do Livro Digital: "Transtorno do Pânico: Sintomatologia, Diagnóstico, Tratamento, Prevenção e Psicoeducação. É autora do projeto «Consultoria Estratégica em Avaliação Emocional». Sites: www.sorayapsicologa.com & www.alquimiadavida.org

follow me on: