Heurísticas: Os atalhos mentais do pensamento humano

1 heurísticas - 13 - Heurísticas: Os atalhos mentais do pensamento humano

Os animais vertebrados são conhecidos por tomar diariamente dezenas de decisões cruciais em suas vidas: quando descansar, com quem se relacionar, quando fugir ou não, que significado tem um estímulo visual…





Tudo isso cai dentro do repertório de pequenos dilemas cotidianos cuja resolução é uma conseqüência inevitável de viver em ambientes complexos. Além disso, quando o animal vertebrado em questão é o homo sapiens da sociedade moderna, essas decisões são multiplicadas e se tornam ondas maciças de questões que requerem a nossa atenção: como votar, onde procurar trabalho, etc. Existem muitas perguntas, mas nem todas são fáceis de responder, algumas conseguimos resolver facilmente sem ter um colapso nervoso. Como isso pode ser explicado? A resposta é que nós não resolvemos imediatamente todos os problemas à medida que enfrentamos, nós usamos atalhos mentais chamados heurísticas.

O que é uma heurística?

Na psicologia, uma heurística é uma regra em que o inconsciente reformula um problema e o transforma em um mais simples, que pode ser resolvido facilmente, quase que automaticamente, ou seja, é uma espécie de truque que a mente usa para facilitar as tomadas de decisões. Considere o exemplo a seguir, que vamos chamar de “problema original”:

Em quem votar nas próximas eleições?

Pra quem acredita na democracia representativa, esta é uma decisão relativamente importante, que requer uma profunda reflexão sobre várias questões (gestão ambiental, propostas contra a corrupção, etc.) Existem algumas opções como votar em branco, anular o voto, não votar ou escolher um candidato e votar nele. Decidir em quem votar, considerando os diferentes critérios e parâmetros disponíveis nos programas eleitorais, é uma tarefa difícil. Tão difícil que ninguém faz. Em vez de responder à primeira questão, é possível que uma heurística entre na mente de alguns eleitores.

Que partido tem melhores políticos?

Esta é uma pergunta muito diferente da primeira. Vamos chamá-la de “questão simplificada”. Este é o lugar de onde o pensamento heurístico se origina. O problema simplificado inclui uma dimensão, ou seja, uma escala de avaliação que pode variar de 0 (muito ruim) a 10 (muito bom) e a resposta será baseada apenas em impressões. No entanto, esta segunda questão tem uma relação de equivalência com a anterior: é dar uma resposta e usar essa mesma resposta para responder a primeira questão. No resultado do processo de heurística, que neste caso é o nome de um partido político, a opção escolhida é transportada para o mundo de reflexões pertinentes e toma um lugar no final da pergunta, como se nada tivesse acontecido.

A escolha fácil é a decisão automática

Neste caso, o eleitor nem se quer é avisado do que aconteceu. Enquanto este processo psicológico é guiado pela lógica involuntária da heurística, o eleitor em questão não escolhe se vai ou não transformar o problema original em um problema simplificado. Isso acontece automaticamente, porque decidir se deve ou não continuar com esta estratégia é um contratempo que a mente consciente ocupada não quer lidar.

A existência dessa heurística irá permitir uma resposta rápida e conveniente em uma questão complexa e poupa tempo e recursos para obter a resposta mais precisa. Esses atalhos mentais são uma espécie de mal menor usado quando é impossível atender a todos os problemas que devem ser resolvidos por um estilo de pensamento racional. Portanto, as consequências de se deixar guiar por eles nem sempre são positivas.

Um exemplo de pensamento por heurística





Um experimento feito no fim dos anos oitenta exemplifica um caso de pensamento guiado por uma heurística. Uma equipe de psicólogos fez para alguns jovens alemães duas perguntas muito específicas:

Você se sente feliz?

Você tem passado dias bons ultimamente?

O objetivo deste trabalho foi estudar a possível correlação entre as respostas destas duas questões. Queriam descobrir se havia alguma relação entre a resposta que foi dada a primeira pergunta e a resposta que foi dada a segunda pergunta. Os resultados foram negativos. Ambos pareciam entregar resultados independentes. Mas, invertendo a ordem das perguntas e levando a outro grupo de jovens apareceu uma correlação muito significativa. As pessoas que responderam a segunda pergunta com uma série de opiniões próximas a 0 foram mais pessimistas na hora de avaliar o seu nível de felicidade . O que aconteceu?

De acordo com regras heurísticas, a explicação mais provável é que as pessoas do segundo grupo tinham estendido a resposta para a primeira pergunta, a resposta mais fácil para a segunda, que para resolver precisa pensar um pouco mais. Assim, os jovens do primeiro grupo não tiveram escolha a não ser procurar uma resposta para a pergunta “Você se sente feliz?”. O segundo grupo inconscientemente substituiu a pergunta por aquela que havia respondido segundos antes. Então, para eles, a felicidade da primeira pergunta do experimento havia se tornado um tipo muito específico, muito mais fácil de avaliar. A felicidade tinha relação com amar a vida.

O caso dos jovens alemães não é um caso isolado. A questão da felicidade é substituída quando vem de uma pergunta relacionada a situação econômica ou familiar do sujeito em questão. Em todos estes casos, a questão que é levantada pela primeira heurística faz com que se torne mais fácil responder a segunda, graças a um efeito de priming .





É comum o uso de heurística?

Parece que é muito comum. Quando se decide não gastar todo o esforço que se precisa, há ali um traço de heurísticas. Isto significa basicamente que uma grande parte dos nossos processos mentais é guiada discretamente por essa lógica. Uma das maneiras que se podem usar atalhos mentais é ao lidar com uma realidade onde nos faltam dados.

Nesta edição existem visões opostas, mesmo entre especialistas, sobre se é bom ou não o uso de heurística. Um dos principais especialistas, o psicólogo Daniel Kahneman, acredita que vale a pena tudo o que pode reduzir o uso desses atalhos cognitivos, pois eles levam a conclusões tendenciosas. Gerd Gigerenzer , no entanto, tem uma postura um pouco mais moderada e alega que a heurística pode ser útil e relativamente eficaz com problemas que seriam difíceis de resolver de outra forma.

Existem razões para ser cauteloso. A partir de uma perspectiva racional, não se pode justificar nossas atitudes com certas pessoas ou escolhas políticas feitas por preconceitos e formas rápidas de pensar. Além disso, é preocupante pensar no que poderia acontecer se as mentes por trás dos grandes projetos e movimentos empresariais obedecessem ao poder heurístico.

Em qualquer caso, o estado de heurística tem muito ainda pra ser explorado. A diversidade de situações em que pode ser aplicado um atalho mental é praticamente infinita, e as consequências de seguir ou não uma heurística também parecem ser importantes. Embora o nosso cérebro seja projetado como um labirinto onde a nossa mente consciente geralmente fica perdida em mil operações detalhadas, nosso inconsciente aprendeu a descobrir e explorar muitas das passagens secretas que permanecem um mistério para nós.

Fonte: Psicologiaymente traduzido e adaptado por Psiconlinews

About the Author Taiz de Souza

Apaixonada por psicologia, se dedica a pesquisar continuamente os assuntos mais atuais e variados relacionados a psicologia a fim partilhar artigos interessantes e confiáveis a todos que apreciam.

follow me on:

Leave a Comment:

3 comments
Add Your Reply