Correlação entre ansiedade e depressão

Shares

ansiedade e depressão - depression 5 - Correlação entre ansiedade e depressão

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgados em abril, 350 milhões de pessoas em todo o mundo apresentam quadro depressivo. Esses estados depressivos são diagnosticados considerando a sintomatologia apresentada e o período de tempo das ocorrências. A depressão apresenta alguns sintomas por um espaço de tempo superior a 6 meses, como: irritabilidade, insônia ou sonolência excessiva, sentimento de culpa, sentimento de inutilidade ou fracasso, choro sem razão aparente, tristeza persistente e desânimo ao realizar atividades que antes lhe eram prazerosas.





Embora esse quadro depressivo seja o estado no qual o indivíduo se encontra neste momento, é importante investigar como foram as primeiras vezes nas quais os sintomas se instalaram. Em grande parte dos casos esse fato passa despercebido, devido ao ritmo de vida agitado que levamos, não percebemos que uma dor de cabeça ou no corpo pode estar associada a ela, bem como aquilo que julgo como alterações de pressão arterial ou do índice glicêmico, podem ser sintomas iniciais de ansiedade que geralmente antecede ao quadro depressivo.
A ansiedade é necessária para mover-nos no nosso dia a dia, sentimos ansiedade antes de uma entrevista de emprego, antes de uma prova ou diante de algum acontecimento marcante em nossas vidas, o problema ocorre quando ela torna-se descontrolada e apresenta sintomas que interferem nos afazeres diários como trabalho e vida social, sendo que na maioria das vezes não sabemos qual sua origem, trata-se então do Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG) que apresenta sintomas como: falta de ar, palpitações, taquicardia, aumento da pressão arterial, náuseas, tremores, alteração nos hábitos intestinais, sensação de desconexão da realidade, aperto no peito, dores musculares, dores de cabeça e sensação de medo intenso causando pânico.





Vem então o medo de sentir medo, que faz com que o indivíduo deixe de ir a locais públicos que geralmente são os primeiros locais onde a crise ansiosa se manifesta. Em decorrência das crises ocorrem pensamentos de impotência e descontrole quanto as emoções, gerando isolamento social e labilidade emocional, seguido por comportamentos evitativos como forma de autopreservação o que leva a pessoa a depressão devido a perda de identidade que vivencia juntamente com a TAG.
Em outros casos, devido a sintomatologia apresentada, o paciente é diagnosticado com doenças físicas, e percebe que não se trata de algo físico quando a medicação prescrita não faz efeito e que os sintomas continuam a ocorrer de forma mais intensa.
O tratamento para a TAG em alguns casos inclui sessões de Reiki e o uso de florais, a prática de atividades físicas como a yoga ajuda a liberar serotonina (hormônio do bem-estar), bem como a psicoterapia e o uso de medicação ansiolítica ou antidepressiva para controlar os sintomas, quando o indivíduo já não consegue exercer suas atividades cotidianas.





Embora o tratamento medicamentoso traga efeitos rápidos para o indivíduo, devido a recaptação de serotonina, é indispensável o atendimento psicoterapêutico , pois através da psicoterapia é possível chegar a raiz do problema, através de mecanismos que despertem para a cura do estado ansioso devido a ressignificação e reconstrução da identidade do cliente, basta um olhar humanamente diferenciado para a angústia do outro.
Ao investigarmos os fatores que levam a TAG tem-se geralmente algum processo de ruptura como base e aquilo que afeta a psique exige de nós autoconhecimento e a vontade da cura, uma cura que não vem por meio apenas de medicação, mas da força de vontade e a busca por ela.
A pessoa que vivencia tanto a TAG quanto o quadro depressivo entende a importância de viver um dia de cada vez, a importância de recomeçar, de controlar a respiração e os pensamentos, se tornando a cada dia  mais consciente de que para tudo existe um caminho de cura. Pois, “faz parte da cura o desejo de ser curado” – Sêneca.

http://www.patriciahornburg.com.br

About the Author Patricia Janaina Hornburg

Psicóloga de formação e professora por vocação, taurina, um tanto teimosa, escreve para aliviar a alma das dores do mundo. Extremamente encantada pelo mundo e pelas pessoas. Têm aprendido muito com as crianças e acredita que o essencial é invisível aos olhos. www.patriciahornburg.com.br https://www.facebook.com/Patrícia-Hornburg-728427063953961

follow me on:

Leave a Comment:

1 comment
Add Your Reply