Ex Relacionamentos – Refletindo sobre a maturidade dos pais durante o divórcio

Shares

divórcio -  W 900 H 450 crop face tv 1 delay optim 1 epic V2 3AYc2RydYPEUqtGoCfuWXvNpFBgA3fpe 2FaUEy1cRkdpGPz5xiOXJafI6D9h5Ei5JaCAeYJIArn5lYceOtdXLPGHSBbXq0VJsZqAbqox6cd9f5vuSsFsIliXlRdnt9r0hsx - Ex Relacionamentos – Refletindo sobre a maturidade dos pais durante o divórcio

Relacionamentos começam e terminam com muita naturalidade nos dias de hoje, fico feliz de saber que se uma mulher não quiser mais se manter em um casamento ela pode sair deste sem ser apontada na rua como uma “desquitada”. Os tempos são outros, a sociedade tem nos permitido mudar de ideia algumas vezes, ainda não somos totalmente livres, mas este é um processo que já se iniciou.





Divorciar-se tornou-se algo banal, no entanto, infelizmente tem revelado o pior lado das pessoas; e quando se é adulto, por mais dolorido e sofrido que seja, as pessoas têm recursos para superar momentos como este. Se não tiverem condições de passar por isso sozinhas, podem pedir ajuda para a família, amigos e até mesmo um auxilio de uma psicoterapia.

“Um filho não segura ninguém” e também não deve ser motivo para persistir em uma relação em que ambos estão infelizes e não veem futuro em mantê-la. No entanto, quando há uma criança no meio, isso exige um pouco mais de maturidade desses adultos para lidarem com suas frustrações amorosas e ainda manter seu papel de pais.





A criança, principalmente se for pequena, vai entender que a briga do casal é culpa dela, pois os pais são a vida para um filho, e se algo não vai bem com eles, automaticamente na cabeça de uma criança, isso é culpa dela. Lidar com as discussões de forma civilizada enquanto o filho dorme no quarto ao lado é apenas uma das etapas. Quando cada um se estabiliza em uma casa e os dois precisam fazer combinações sobre horário de passeios e visitas é um dos principais momentos que os pais se esquecem de que são adultos, e onde uma considerável parcela dos homens se mostra relapso com a ideia de que o casamento acabou, mas a relação com o filho ainda continua. Isso porque na maioria dos casos o homem sai de casa e, nessa mudança de rotina, tem a falsa ideia de que a responsabilidade para com o filho não se mantém a mesma.

Homens e mulheres precisam se esforçar, exercitar o diálogo com o ex-parceiro, não é uma tarefa fácil, principalmente se o término foi complicado, mas é sim uma tarefa indispensável. Os filhos ainda serão filhos, não importa quantas vezes a pessoa se case novamente. Tenham em mente que a sua prole não é uma encomenda que chega em sua casa com prazo de validade. Filhos são os únicos relacionamentos em que não há a possibilidade de divórcio!

About the Author Cássia Oliveira

follow me on:

Leave a Comment: