Psiconlinews
Shares

Burnout: A Síndrome das Sociedades Modernas

Shares

burnout - rla 000027297 - Burnout: A Síndrome das Sociedades Modernas

A síndrome do esgotamento profissional, também chamada de síndrome de burnout, é um sintoma dos nossos tempos modernos. É uma condição de exaustão que leva à paralisia das nossas forças e sentimentos, e que anda de mãos dadas com a perda da alegria de viver. Atualmente casos desta síndrome são cada vez mais frequentes. Ela não acomete apenas os profissionais que lidam com trabalho social, como se acreditava antes, mas também outros tipos de trabalhos e até mesmo o doméstico. O nosso estilo de vida moderno contribui para a propagação da síndrome de burnout: avanços tecnológicos, consumo excessivo, materialismo… São tempos em que somos explorados e nos deixamos explorar.





Acho que todo mundo já sentiu os sintomas da exaustão. Sentimos os sinais da exaustão depois de passarmos por uma forte tensão ou concluirmos alguma tarefa. Por exemplo, quando você estava se preparando para seus exames, trabalhando em um projeto difícil, escrevendo sua tese ou cuidando de seus dois filhos pequenos. Às vezes você precisa se esforçar mais para resolver algum problema crítico. Outro exemplo disso são os médicos que, durante uma epidemia de gripe, por exemplo, têm muito mais trabalho. E é aí que os sintomas como a irritabilidade, a falta de desejo, distúrbios do sono (quando você não consegue dormir ou dorme por um longo tempo), diminuição da motivação, desconforto, sintomas depressivos, começam a surgir. É uma variação bastante sutil do cansaço, suas reações extrapolam, tanto fisiológicas quanto psicológicas, em resposta ao estresse. Quando a situação que gerou o esgotamento acaba, os sintomas desaparecem.

Na realidade, tanto o corpo quanto a psique foram feitas para suportar um monte de estresse e tensão, porque às vezes temos que trabalhar muito duro para alcançar alguns objetivos. Por exemplo, quando você precisa resgatar a sua família de algum problema. Isso leva a uma sobrecarga do sistema nervoso, a pessoa fica tensa a nível psicofísico e também começar a sentir dores físicas. Algumas pessoas podem até ranger os dentes enquanto estão dormindo. Isto poderia ser um sintoma de exaustão excessiva.

Agravamento do Problema





Quando o estresse se tornar crônico, passa a se manifestar a nível de desordem. Em 1974 o psiquiatra Freudenberger  publicou um artigo sobre os voluntários que trabalhavam em atividades sociais pela igreja local. Essas pessoas tiveram sintomas semelhantes aos da depressão. Em seus perfis, sempre era detectado os mesmos sintomas. Inicialmente, essas pessoas eram completamente fascinadas por suas atividades. Após um tempo este fascínio começou a declinar. E, finalmente, desapareceu completamente. Todos eles demostraram os mesmos sintomas: exaustão emocional e fadiga constante. Só de pensar que no dia seguinte tinham que ir para o trabalho, já surgia um sentimento de fadiga.Eles tinham várias enfermidades a nível físico, ficavam doentes com muita frequência. Este foi um dos conjuntos de sintomas.

Com relação às emoções, já não eram mais fortes. Algo aconteceu que o psiquiatra designou de “desumanização”. Eles mudaram de atitude para com as pessoas que estavam ajudando, num primeiro momento o serviço era amoroso e atencioso, mas, em seguida, tornou-se um tratamento cínico, frio e negativo. A relação com seus cônjuges também piorou. De repente se manifestou um forte sentimento de culpa e uma vontade de se afastar de todo mundo. Passaram a trabalhar menos e faziam tudo mecanicamente, como se fossem robôs. Ou seja, essas pessoas, ao contrário do que eram antes, já não se sentiam capazes de construir um relacionamento e sequer tentavam.

Este comportamento tem uma certa lógica. Se eu não tenho força em meus sentimentos, não tenho força para amar e ouvir, e os outros se tornam um fardo para mim. Sinto que já não posso corresponder, ou estar no nível, e que as suas expectativas são exageradas para mim. Em seguida, entra em vigor as reações defensivas automáticas. Do ponto de vista psicológico, é muito sensato.
Como terceiro grupo de sintomas, o autor cita a ”redução da produtividade”. Os investigados já não estavam mais satisfeitos com o seu trabalho e realizações. Eles se achavam impotentes, sem a sensação de ter realizado algo importante. Tudo era demais. Eles sentiam que não estavam recebendo o reconhecimento que mereciam.

Ao analisar os resultados da pesquisa, Freudenberger descobriu que os sintomas da síndrome de burnout não estão relacionados à quantidade de horas de trabalho. Sim, quanto mais horas você passar trabalhando, mais o seu estado emocional será afetado. A exaustão emocional cresce proporcionalmente de acordo com as horas trabalhadas, mas os outros dois grupos de sintomas (a produtividade e a desumanização) quase não são afetados. A pessoa permanece produtiva por algum tempo. Isto indica que a síndrome de burnout tem a sua própria dinâmica, é mais do que uma simples exaustão. Veremos com mais detalhes  mais adiante.

As fases da síndrome de burnout





Freudenberger criou uma escala com 12 níveis, que à primeira vista parece inofensiva:

  1. No início, a pessoa com esgotamento tem um desejo obsessivo por afirmação (“eu sou capaz de fazer alguma coisa”), provavelmente na forma de concorrência com outro indivíduo.
  2. Depois começa a atitude negligente com suas próprias necessidades. A pessoa fica desmotivada para fazer qualquer atividade, dedica menos tempo para os amigos e para si mesmo.
  3. No próximo nível, o indivíduo não dedica mais tempo algum para resolver seus conflitos, portanto, os ignora e, posteriormente, sequer os percebe. Não se importa mais com os problemas no trabalho, em casa ou com os amigos. Simplesmente os ignora. Como uma flor que murcha com o passar dos dias.
  4. Mais adiante, passa a não sentir mais nada. Vira uma máquina que não consegue mais parar.
  5. Depois de um tempo começa a sentir um vazio interior e, se não conseguir resolver a situação, torna-se um deprimido.

No último (décimo segundo estágio), a pessoa se encontra completamente ”quebrada”. Doente tanto físico quanto mentalmente, ela passa a ter pensamentos suicidas.

Do entusiasmo ao desgosto

Para descrever da maneira mais simples como o desgaste emocional ocorre, vamos usar a descrição do psicólogo alemão Matthias Burisch. Ele descreveu quatro estágios:

  1. A primeira etapa é completamente inofensiva: o fato ainda não é um dreno emocional. Mas você precisa ter muito cuidado. É quando a pessoa se sente invadida por um entusiasmo exagerado para a realização de algumas ideias, mas exige muito de si mesmo. As exigências são para algumas semanas ou meses, e são muito altas.
  2. A segunda etapa é o esgotamento físico e emocional, fraqueza.
  3. A terceira etapa é quando, geralmente, se manifestam as primeiras manifestações defensivas. E o que faz uma pessoa quando as demandas são exageradas? Afugenta-se das relações, é quando a desumanização ocorre. Esta reação é um mecanismo de defesa para que o esgotamento não se agrave. Intuitivamente, a pessoa sente que precisa de uma pausa, e diminui a sua rede de relações sociais. As relações que ela obrigatoriamente precisa manter, serão marcadas pela rejeição e repulsa. Basicamente, é uma reação racionalmente correta.
  4. A quarta etapa reforça o que acontece na etapa anterior é a última fase de esgotamento. Burisch chamada “síndrome repulsa.” Este termo significa que a pessoa não sente alegria em tudo. Tudo leva a repúdio e rejeição. Por exemplo, eu comi um peixe ruim, isso me fez atirar -se e no dia seguinte, sentindo o cheiro de qualquer peixe, I foi repugnado. É uma reacção defensiva após o envenenamento.

As causas de exaustão

Em relação às causas, três áreas se destacam. A primeira é o campo psicológico individual, quando a pessoa é mais suscetível ao stress. O segundo campo é psicológico social, ou simplesmente social: a pressão do mundo exterior, as diferentes tendências da moda, as normas sociais, as exigências do trabalho… etc. Por exemplo, em algumas classes sociais acredita-se que a cada ano você deve fazer uma viagem, não fazer isso é um ”sinal de fracasso”, há também as diferentes exigências sociais que fazem de cada estilo de vida. Este tipo de pressão pode ocorrer de forma disfarçada, mas causa um grande desgaste emocional.

Mas um dos fatores mais dramáticos é um longo tempo de trabalho. Hoje as pessoas trabalham horas extras e, por vezes, não recebem por elas, mas caso se recuse a fazê-lo, pode ser demitido. O fato é que o excesso de trabalho é uma condição que caracteriza a era capitalista em que vivemos.

Você não pode comprar um sentido para o que faz

Através de uma análise existencial concluímos que a causa do stress emocional é o vazio existencial.  A exaustão emocional pode ser entendida como uma forma de vazio existencial. Viktor Frankl descreve o vazio existencial como uma sensação de vazio por não encontrar um sentido no que faz.
Uma pesquisa realizada na Áustria, durante a qual foram examinados 271 médicos, revelou alguns resultados interessantes. Ela mostrou que os médicos que tinham uma vida significativa e não sofriam de vazio emocional, quase nunca sentiam exaustão emocional, mesmo que trabalhassem por muitas horas num mesmo dia. Já os médicos que apresentaram um nível alto de vazio emocional em seu trabalho, também apresentaram altos níveis de exaustão emocional, mesmo se trabalhassem menos horas por dia. A partir disso podemos concluir que você não pode comprar o senso de realização que o seu trabalho lhe proporciona. Se você não encontra nenhum sentido no seu trabalho e o realiza somente pelo salário, então talvez esteja na hora de repensar esta situação.

A Síndrome de Burnout sempre nos confronta com as seguintes perguntas: Eu realmente encontro significado no que estou fazendo? Não sinto qualquer valor pessoal no meu trabalho?

Em suma, podemos dizer o seguinte: o desgaste emocional é um estado final que surge como o resultado de uma reação em cadeia que não permite que você se sinta realizado e satisfeito com o que você está fazendo. Em outras palavras, se eu encontrar sentido no que estou fazendo, se eu sentir que o que estou fazendo é interessante e importante, me sentirei realizado e feliz, e não haverá lugar para a exaustão emocional. Mas não devemos confundir esses sentimentos com o entusiasmo. O entusiasmo nem sempre está conectado com a plenitude, que é uma faceta mais duradoura e oculta.

Burnout é um recibo psicológico dado a nós por nos distanciarmos da vida. Estamos levando uma vida que nos possui, ao invés de nós a possuirmos. 

No curto prazo os medicamentos poderiam amenizar o problema, mas eles não resolverão o problema. Você precisa trabalhar as suas necessidades, fraquezas internas, metas e expectativas de vida. Precisa pensar sobre como poderia reduzir a pressão social que carrega consigo, como você poderia se proteger disso. Às vezes seria até mais saudável se você trocasse de emprego, pense nessa possibilidade.
Você pode prevenir a síndrome de burnout fazendo a si mesmo estas perguntas simples:

  1. Para que estou fazendo isso? Por que estudar na faculdade? Por que estou escrevendo esse livro? Qual é o significado disso? Vai me valorizar?
  2. Eu gosto do que estou fazendo? Não estou me sentindo bem? Faço meu trabalho com vontade? Estou feliz com o que estou fazendo? Provavelmente não será sempre assim, no entanto, a alegria e a satisfação devem prevalecer.

Depois de tudo isso, você precisa fazer outra pergunta, de cunho mais pessoal: Eu quero viver fazendo isso? Quando estiver morrendo e olhar para trás, acharei que valeu a pena viver?

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment:

1 comment
Add Your Reply