Síndrome de Otelo: Quando o ciúme torna-se patológico e mortal

Shares






síndrome de otelo - s  ndrome de otelo - Síndrome de Otelo: Quando o ciúme torna-se patológico e mortal

Síndrome de Otelo. Considere estes casos:

Um homem de 63 anos, que por muito tempo acusou sua esposa de ter casos extraconjugais, estrangulou-a até a morte e depois se enforcou porque não conseguia mais lidar com suas suspeitas obsessivas.

Uma mulher de 42 anos interroga seu amante antes e depois que ele sai de casa. Ela inspeciona o telefone celular e as contas de e-mail e não o deixa assistir à televisão com medo de que ele veja uma mulher atraente e se apaixone por ela.





Um homem de 39 anos constantemente acusa sua esposa de infidelidade. Ao sair de casa para o trabalho ou para algum outro propósito, ele frequentemente a segue para pegá-la em flagrante delito. Ele confrontou vários homens da vizinhança com falsas acusações sobre sua esposa. E frequentemente a observa de longe com binóculos.

Uma mulher de 31 anos acusa sua companheira de infidelidade sempre que ouve canções de amor, vê filmes românticos, percebe uma mulher atraente em qualquer situação, ou lê artigos de notícias nos quais a infidelidade é mencionada.

Cada um desses amantes possessivos estava delirando em suas suspeitas. Esses casos ilustram o ciúme mórbido quando atinge o estágio da psicose. A paranoia e o medo extremo do abandono tornaram esses indivíduos incapazes de distinguir o que é real do que é irreal no que se refere à infidelidade. Perseguição, assassinato, suicídio ou uma combinação disso é o resultado mais freqüente.





A síndrome de Otelo foi diagnosticada pela primeira vez pelo dr. John Todd, um psiquiatra britânico, nos anos 50. Pode surgir espontaneamente, ou em conjunção com outra doença mental (por exemplo, esquizofrenia), ou como um efeito colateral de medicação ou trauma cerebral. Homens e mulheres representam cerca de 60% e 40% dos casos, respectivamente.

Em Otelo de Shakespeare, o personagem-título é enganado por seu “amigo” maquiavélico, Iago, por fazê-lo acreditar que sua esposa, Desdêmona, está enganando-o. Falsamente convencido de sua traição, Otelo assassinou Desdêmona. Então Iago conta a verdade a Otelo, e Otelo lamenta que ele tenha “não amou sabiamente, mas intensamente”.

Quando se trata de amor, muito de uma coisa boa não é sábio. E quando um do par mergulha em psicose, o resultado pode ser mortal – na realidade, bem como na ficção.

About the Author Psiconlinebrasil

Tudo sobre psicologia e comportamento.

follow me on:

Leave a Comment: