thanatos - Thanatos - Thanatos: O que significa a pulsão de morte para Sigmund Freud?

Thanatos e a pulsão de morte: Falar sobre Freud e a psicanálise freudiana geralmente implica em falar sobre a libido e o desejo sexual em algum momento.





É que o pai da psicanálise considerou que a vida psíquica estava ligada, principalmente, a esse tipo de pulsão, sendo a libido o núcleo da vida psíquica e da energia vital.

No entanto, esse impulso, também chamado de pulsão de vida ou Eros (em referência ao deus grego), não é a única importante para o autor. Ao longo de seu trabalho e à medida que avançou na formulação de sua teoria, Freud considerou a existência de outro tipo de pulsão contrária à primeira, que explica uma parte da psique humana que Eros não comporta. Estamos falando sobre a pulsão de morte ou Thanatos.

Thanatos como uma unidade: definição da pulsão de morte





O instinto de morte ou Thanatos é um conceito desenvolvido por Sigmund Freud, nascido em oposição ao instinto de vida, ou Eros, e definido como o gerador de impulsos inconscientes e excitação orgânica (ou seja, uma unidade), que aparece como a busca de voltar ao absoluto descanso da não-existência. Pode ser considerado como o impulso que busca a própria morte e desaparecimento.

Enquanto Eros procura unir e preservar a vida, além de satisfazer a libido, Thanatos procura satisfazer impulsos agressivos e destrutivos, visando a desunião da matéria e o retorno ao estado inorgânico. Esse impulso muitas vezes aparece na forma de agressividade para com os outros ou para consigo mesmo, seja direta ou indiretamente. Além disso, enquanto Eros é uma força que gera dinamismo, Thanatos é caracterizado por gerar retiro e buscar descanso, a menos que seja associado ao erotismo.

Thanatos não é guiado pelo princípio do prazer, como Eros, mas na direção ao Nirvana: busca-se a dissolução, a redução da excitação, não para encontrar prazer na resolução de conflitos que permitem a sobrevivência, mas para encontrá-lo na dissolução e no retorno ao nada.

Este conceito tem a distinção de ser pouco visível diretamente: enquanto Eros, ou energia de vida libidinosa, facilita a ligação e a performance, Thanatos tende a se mostrar indiretamente através da projeção, por meio da agressão ou de nenhuma ação ou conexão com o mundo. Um exemplo disso é a emissão de comportamentos insalubres, ou a renúncia e aceitação passiva de algum evento aversivo.

A fusão pulsional

Eros e Thanatos não permanecem como unidades separadas, mas interagem continuamente, embora sejam forças opostas: Eros é uma força de ligação e Thanatos de desunião.

Apesar de parte da unidade de morte permanecer desengatada, o qual gera um desvio gradual para a morte, essa fusão com eros resulta que muita da unidade de morte se manifeste através de projeções exteriores, gerando agressividade.

Pulsão da morte nem sempre é negativa

Segundo o pai da psicanálise, tanto a pulsão de vida quanto a pulsão de morte são essenciais para os seres humanos, esse conflito contínuo é, em muitos aspectos, benéfico para nós.

Embora a ideia do instinto de morte ser controversa e pareça aversiva, a verdade é que, para Freud, é um tipo de impulso necessário à sobrevivência.

A nível psíquico, a existência da pulsão de morte nos permite diferenciar dos objetos, nos possibilitando identificar a nós mesmos e fundir com eles fisicamente, preservando a individualidade. Também haveria uma certa conexão com o complexo de Édipo, enquanto os aspectos libidinosos e agressivos em relação aos pais existirem.

Além disso, evolutivamente, a agressividade resultante da fusão de ambos os tipos de acionamento é vantajosa em certas situações, permitindo a luta pela sobrevivência e autodefesa.

O conflito entre pulsão de vida e pulsão de morte é também associado ao momento do orgasmo, sendo que Eros faz buscar a satisfação sexual e erótica, mas ligando o próprio sexo e o momento do clímax a uma descarga, ligada à ideia de descanso e regresso.

Em patologia

A pulsão de morte pode ser positiva, mas também pode se refletir em aspectos que não são tão benéficos ​​ao ser humano.

Freud iria considerar que o conceito de culpa estaria ligado à pulsão de morte, assim como a insistência em condutas contrárias à saúde ou mesmo a compulsão à repetir atos desagradáveis, como a automutilação ou outros tipos de comportamentos compulsivos. Também o surgimento de resignação, desespero e apatia, pode estar relacionado a Thanatos, bem como a ruminação de pensamentos negativos. Da mesma forma, levado ao extremo, esse impulso pode levar a atitudes masoquistas ou a idéias autolíticas.

Não apenas a nível psicopatológico: a emissão de respostas de raiva, de negação, de rejeição ou a omissão na presença de dificuldades, como o acometimento de uma doença crônica, também está ligado a Thanatos. O exemplo disso seria fazer algo que sabemos ser contra a nossa saúde (por exemplo, um diabético comer algo que não deve, ou alguém com enfisema pulmonar continuar fumando).

Eros e Thanatos: da mitologia a Freud





Freud chamou a vida e a morte de Eros e Thanatos, respectivamente, em clara referência à mitologia grega. É por isso que, para concluir o artigo, pode ser interessante analisar as divindades que os simbolizam.

Eros é uma das divindades mais conhecidas do panteão grego, sendo o deus do amor, vitalidade e paixão amorosa. Na maioria das versões do mito grego, é o filho da deusa do amor, Afrodite, e do deus da guerra, Ares, enquanto em outros, como diz Platão em “O Banquete”, é o filho da deusa da pobreza, Penia, e do deus Poros, concebido na celebração do aniversário de Afrodite (algo que pode estar relacionado a diferentes tipos de relacionamentos amorosos).

Thanatos, por outro lado, é o deus da morte não-violenta, filho da deusa da noite, Nix, e da escuridão, Érebo. Este deus, gêmeo de Hypnos, era um ser temido, e uma força de desunião com a vida, também ligada à resignação de morrer.