As técnicas projetivas visam trazer para fora o material reprimido ou inconsciente da pessoa, através de desenhos, imagens, palavras, etc. Neste artigo vamos conhecer um deles, o teste do desenho da família, criado por Maurice Porot (1952) e aplicado na infância e adolescência.






Nessa técnica a criança é convidada a desenhar uma família e, a partir daí, fazer uma série de perguntas para, posteriormente, analisar suas respostas, bem como o próprio desenho. É uma técnica expressiva que visa explorar como a criança se localiza em seu ambiente familiar.

As técnicas expressivas ou gráficas

Na avaliação psicológica as técnicas expressivas ou gráficas são um tipo de teste projetivo (psicodinâmico) em que a tarefa dada ao sujeito é desenhar certos elementos. Através dos desenhos, o sujeito manifesta a sua maneira pessoal de organizar o mundo e tenta reproduzi-lo. Além disso, de acordo com a teoria psicodinâmica, o comportamento gráfico (desenho) é mais livre do controle consciente do que o comportamento verbal.






No entanto, existem poucos estudos empíricos das técnicas expressivas. Além disso, a interpretação é caracterizada por um alto nível de subjetividade.

Segundo Machover (1949), desenhos úteis são obtidos para formular hipóteses clínicas, mas é essencial fazer essas hipóteses a partir da convergência dos sinais psicopatológicos encontrados dentro do teste com os dados obtidos por outros métodos.

Teste do desenho da família: características

O teste do desenho da família (ou teste de desenho familiar) é um tipo de projeto expressivo ou gráfico, criado por Maurice Porot (1952). A tarefa dada ao sujeito examinado é que ele desenhe uma família, sem restrições. Após o desenho, o examinador interroga o sujeito sobre a sua produção.

O teste do desenho da família é baseado na técnica de desenho livre. Esse tipo de desenho é muito praticado por crianças e elas gostam disso. Especificamente, é um teste de personalidade que pode ser administrado a crianças de 5 anos até a adolescência.

É um dos testes de exploração da afetividade infantil com maior popularidade e uso, que enfatiza os aspectos projetivos. Além disso, avalia clinicamente como a criança percebe subjetivamente as relações entre os membros da família e como ela é incluída nesse sistema familiar.

Por outro lado, o teste do desenho da família também permite investigar aspectos da comunicação da criança com outros membros da família e com os demais membros.

Interpretação






O uso e a interpretação do teste do desenho da família baseiam-se nos princípios psicanalíticos da projeção, uma vez que permite a livre expressão dos sentimentos das crianças em relação aos seus familiares, especialmente seus pais.

Além disso, o teste visa refletir a situação em que os mesmos sujeitos são colocados em seu ambiente doméstico.

Modificações

Um autor importante para o teste também foi Louis Corman, que introduziu modificações importantes nas instruções dadas por Porot. Enquanto Porot pedia à criança para “desenhar a sua família”, a tarefa de Corman era “desenhar uma família, uma família que você imagina”.

Por outro lado, Bums e Kaufman (1972) apresentam uma versão modificada do teste familiar, denominado “The Kinetic Family Drawing Test”, para o qual propõem critérios de avaliação. Nesta versão, eles usam os slogans: “Desenhe uma foto de sua família, incluindo você fazendo algo” e “Tente fazer pessoas completas, não caricaturas ou figuras de palitos”. Lembre-se de desenhar todo mundo fazendo algo, ocupado em algum tipo de ação”.

Aplicação

Depois de dar a tarefa à criança ou ao adolescente, o examinador fará uma breve entrevista, que ajudará  muito na interpretação que o psicólogo fará.

Assim, depois de elogiar a criança pelo seu desenho, ele a questionará com uma série de perguntas sobre a família imaginada e sobre os membros dela. Para tanto, todas as questões necessárias serão incluídas, considerando as circunstâncias de cada um e incentivando em todos os momentos a livre expressão da criança ou adolescente.

O que você explora?

O teste familiar é considerado um teste com importante valor diagnóstico em círculos ligados a terapias psicodinâmicas. Através dele pretende-se conhecer as dificuldades de adaptação do ambiente familiar e os conflitos edipianos e a rivalidade fraterna.

Além disso, é um teste concebido para medir o desenvolvimento intelectual,no entanto, é importante mencionar que o teste familiar é mais utilizado para avaliar aspectos emocionais da criança do que avaliar seu desenvolvimento intelectual e maturacional, mesmo que seja usado até mesmo para avaliar certos aspectos dos problemas de aprendizagem.

Aproximações

O criador do teste do desenho de família, Maurice Porot (1952), considera que dizer à criança para desenhar sua família permite conhecê-la como ela se representa, o que é mais importante do que saber como ela é na realidade.

Por outro lado, Louis Corman (1961) considera que a projeção ocorre mais facilmente se a indicação for mais vaga, algo como: “Desenhe uma família que você imagina”. Segundo ele, esse slogan permite que tendências inconscientes sejam expressas com mais facilidade.

Outro autor, Korbman, mencionou em uma série de estudos que na prática clínica com crianças pequenas, o slogan mais apropriado no teste da família é “desenhe sua família”; isso se baseia no pressuposto de que a criança é um sujeito em desenvolvimento, onde a repressão é menor e não se defende tanto quanto o adulto. Isto é, é abertamente projetado.